Consagrado longa que deu o Oscar a Natalie Portman, Cisne Negro chega ao formato DVD

Lago dos Cisnes, de Tchaikovsky, ganha um ar contemporâneo no filme

Portman mostrou a doçura e leveza do cisne branco e a firmeza e sensualidade do cisne negro
Portman mostrou a doçura e leveza do cisne branco e a firmeza e sensualidade do cisne negro Foto: Niko Tavernise

Depois do aclamado O Lutador (2009), Darren Aronosfky apostou no mundo do balé para ambientar o thriller psicológico Cisne Negro, que chega às prateleiras em DVD.}

Vencedora do Oscar de melhor atriz deste ano, Natalie Portman interpreta Nina, uma bailarina competente e esforçada, mas insegura, frágil, e que padece de conflitos internos que não a deixam sair da confortável segurança e no apoio que busca na mãe.

Escolhida para ser a principal estrela em uma companhia prestes a falir, Nina tem a dura missão de interpretar o papel principal no clássico O Lago dos Cisnes. Para isso, deve mostrar seus dois lados: a doçura e leveza do cisne branco e a firmeza e sensualidade para convencer o público como cisne negro.

A batalha de Nina se resume a se libertar da mãe Erica (Barbara Hershey) e de seus próprios medos de explorar o mundo à sua volta. Se o cisne branco ela executa com perfeição, mostrando o quão bondosa e centrada ela pode ser, interpretar o cisne negro é um martírio. Mas, como todos tem o lado bom e o mau, com Nina não é diferente.

Quando ela é incitada pelo professor Thomas Leroy (Vincent Cassel) a deixar aflorar sua sensualidade, a bailarina tem de optar por abandonar o quartinho rosa e arrumado em que vive com sua mãe e a constante vigília e cobrança de Erica, ou continuar a ser uma garota comportada e obediente.

Quando surge uma nova bailarina, Lilly (Mila Kunis), sensual e sem pudores, Nina vê a possibilidade de transgredir e, enfim, deixar-se levar para seu lado mais obscuro. Entre uma tentativa e outra de se libertar, Nina percebe que algo está errado. Ilusão e realidade se misturam tanto para a bailarina quanto para os espectadores.

Leitura contemporânea

O Lago dos Cisnes, de Tchaikovsky, ganha um ar contemporâneo no filme. É em cima do universo do balé que Aronosfky trabalha com inúmeros jogos de espelhos, mostrando a fragmentação da personalidade de Nina, os jogos de sombra e luz, contrastando o branco e o negro (na fotografia de Michael Libatique), e os efeitos visuais que misturam realidade e ficção de forma agregadora para a trama.

Se Natalie Portman concorria com fortes candidatas ao Oscar, como Michelle Williams, em Namorados Para Sempre, e Nicole Kidman, em Reencontrando a Felicidade, é em sequências em que Nina revela seu lado “cisne negro” que Natalie brilha e mostra porque foi a escolhida. A transformação de uma mulher quase virginal na bailarina determinada, ousada e sensual, é ressaltada pela câmera inquieta de Aronosfsky, que explora o limite da personagem.

O filme, com orçamento US$ 13 milhões (valor modesto para os padrões de Hollywood), foi o maior sucesso de bilheteria de um filme dirigido por Aronosfky, arrecadando mais de US$ 320 milhões. Credibilidade ele tem por filmes como Pi, A Fonte da Vida e O Lutador, que levou o Leão de Ouro no Festival de Veneza de 2008.

No DVD de Cisne Negro, um making of, dividido em três atos, mostra os bastidores das gravações do filme que, por conta do baixo orçamento, foram apertadas. Além de comentários dos atores, do diretor e dos responsáveis pelos efeitos visuais impressionantes criados no filme.

Leia mais
Comente

Hot no Donna