Corante do M&M’s ajuda a reduzir danos na coluna, diz pesquisa

Aditivo químico azul fez ratos com lesão na coluna vertebral voltarem a andar

Michael comemora aniversário da filha Paris
Michael comemora aniversário da filha Paris Foto: Reprodução

O corante azul do chocolate M&M tem propriedades que permitem reduzir os danos derivados de uma lesão de coluna vertebral. É o que diz um estudo divulgado pela Universidade de Rochester.

O aditivo químico, de cor azul intensa e utilizado também para dar o aspecto característico a algumas bebidas isotônicas, pode frear o desenvolvimento do dano colateral e grave que afeta a coluna vertebral imediatamente após ter sofrido uma lesão traumática na mesma.

Após injetar o corante em ratos que sofriam a lesão, os pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Rochester, em Nova York, constataram que os roedores foram capazes de andar de novo, mas mancando e com um efeito colateral: suas patas, focinhos e orelhas ficaram temporariamente azuis.

Os autores do estudo demoraram cinco anos para descobrir os benefícios deste aditivo sobre a coluna, em uma série de exames clínicos com o objetivo de paralisar a corrente de destruição de células que começa pouco depois de uma lesão e que pode conduzir à paralisia.

Em 2004, a equipe realizou testes semelhantes empregando ATP, uma substância que o organismo produz para manter as células vivas, e que, em estado de oxidação, ajudava os ratos a voltar a andar. No entanto, os pesquisadores não demoraram para perceber que o processo não seria viável em humanos, já que devia ser injetado diretamente na medula espinhal e ameaçava produzir graves efeitos colaterais.

A equipe começou a buscar uma alternativa à ATP que bloqueasse o vertiginoso ritmo de destruição das células motrizes e fosse administrada por via intravenosa.

A resposta foi encontrada no composto químico Brilliant Blue G (BBG), que provocava a mesma recuperação nos animais sem causar efeitos colaterais, e cuja estrutura química era quase idêntica à do corante azul utilizado na indústria alimentícia.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna