Decoradores ajudam homens recém-divorciados a renovar suas casas

Ambientes antes pouco cuidados pelo solitários começam a ganhar espaço no mercado americano

Tim Geddes, que trabalha com capital privado em Los Angeles, teve a casa decorada por Susan Manrao
Tim Geddes, que trabalha com capital privado em Los Angeles, teve a casa decorada por Susan Manrao Foto: Julian Wass

À medida que o índice de desemprego nos Estados Unidos começa a cair, sinalizando um fortalecimento da economia, alguns casais americanos otimistas talvez possam retomar planos interrompidos de tirar férias ou gastar de modo um pouco mais extravagante com um presente de aniversário ou aniversário de casamento.

Outros que estão sentindo o degelo econômico podem gastar dinheiro com algo particularmente caro que estavam adiando: um divórcio. Entre o batalhão de especialistas que irá atendê-los após a separação ? agentes imobiliários, corretores de hipotecas, planejadores financeiros ? está uma integrante relativamente nova: uma tal de Susan Manrao.

Encantadora e divertida, com uma risada contagiante, a designer de interiores Manrao, de 35 anos, que vive em Los Angeles, encontrou seu nicho depois de perceber que tinha um tipo preferido de cliente: o homem divorciado.

O momento em que ela se deu conta disso ocorreu cerca de dois anos atrás, quando ela passou por uma casa que pertencia a um cliente de cerca de 40 anos, cujos filhos visitavam frequentemente. O imóvel estava praticamente vazio.

? Percebi que o meu papel nesse projeto não era simplesmente decorar um espaço, mas ajudar a reconstruir um lar ? disse ela.

Pela experiência de Manrao, trabalhar apenas com homens é mais fácil do que trabalhar com casais ou mulheres, porque eles costumam intervir menos, o que possibilita que ela tenha uma maior liberdade criativa.

É frequente que os pais divorciados, especialmente, queiram que a sua casa fique pronta rapidamente, para tornar a transição o mais suave possível para seus filhos, o que significa que eles tendem a estar de acordo com os projetos de Manrao.

Além disso, embora ela tenha gostado de trabalhar com alguns casais, há muitos mais, disse ela, cuja “relação literalmente entra em crise por causa de coisas bobas, como a escolha do revestimento da parede”. Contudo, o que realmente distingue os seus clientes homens divorciados, segundo ela, é quão gratos eles são.

? É uma experiência muito mais gratificante. Eles ficam entusiasmados por ter um lar novo que realmente passa a sensação de ser um lar ? disse Manrao.

Como outros decoradores que possuem inúmeros clientes divorciados, Manrao aperfeiçoou sua prática para detectar o que o recém-divorciado (particularmente homens recém-divorciados heterossexuais) quer e precisa quando começa a construir seu novo lar.

Esse conhecimento pode ser cada vez mais necessário, já que é provável que surjam mais clientes com esse perfil em breve, disse Andrew Cherlin, professor de Sociologia da Universidade Johns Hopkins, que tem escrito extensivamente sobre o casamento nos Estados Unidos. Desde 2008, disse ele, os índices de divórcio nos Estados Unidos têm caído, assim como aconteceu durante a Grande Depressão.

Quando a economia começou a melhorar na época, no entanto, tais índices aumentaram significativamente, algo que está prestes a acontecer novamente, segundo Cherlin, quando o atual processo de recuperação econômica se mostrar mais efetivo.

? Sem dúvida, há casais infelizes que estão em busca de recursos para se separar ? assinalou ele.

Quando o fizerem, pelo menos metade dos recém-divorciados vai precisar de um novo lugar para morar, um sofá e um tapete novos, toalhas novas e xícaras de café e pôsteres para pendurar nas paredes, e todos os outros adereços que transformam um apartamento ou uma casa em um lar. Se tiverem filhos, podem precisar providenciar essas coisas urgentemente.

E se a ex-mulher era quem cuidava da decoração, vão precisar de ajuda. Os homens que vêm de casamentos heterossexuais são mais propensos a sair da casa da família do que as mulheres, disse Steven Mintz, historiador da Universidade Columbia que estuda as famílias e os filhos. Em geral, eles também estão mal preparados para o divórcio, acrescentou ele.

? Eles estão casados com o casamento como uma instituição. Ele fornecia a estrutura da sua vida ? disse ele.

A instabilidade do divórcio e a dificuldade de fazer essa transição, disse Mintz, ajuda a explicar a rapidez relativa com que muitos homens se casam novamente. A designer Deirdre Dyment, de Toronto, que, como Manrao, mudou seu negócio para se concentrar em homens divorciados, disse:

? Uma grande porcentagem deles deixa o lar conjugal e vive em condições bastante ruins. Eles ficam com o antigo mobiliário usado que estava no porão. Ficam com a mesa da sala de jantar da avó e várias coisas que não combinam, e realmente sentem falta do aconchego que tinham na casa anterior e não têm a menor ideia como recuperá-lo ? disse Dyment.

Claro, o homem divorciado de hoje é uma criatura mais evoluída do que era uma ou duas gerações atrás. Por um lado, é mais provável que ele se importe com a aparência de sua casa, disse Mintz. Por outra, ele tem mais chances de requerer a guarda conjunta dos filhos.

Sua casa, então, não é um apartamento de solteiro ao estilo Hefner, com uma cama redonda e um cantinho para conversar, nem é como o apartamento escuro e monótono de Don Draper em “Mad Men”, que o criador do programa, Matthew Weiner, disse que parece ter sido “decorado por Edward Hopper”.

Em vez disso, ele tende a ser um lugar que equilibra, para as crianças, uma sensação de conforto e alegria com uma nova realidade assustadora: o papai está solteiro. E ele está começando do zero. Kimberlee Paige Hanson, de 41 anos, fundadora da empresa Interior Bliss Design, de Nova York, e de uma franquia chamada Sexy Bachelor Pad, disse:

? Eles deixam tudo com a mulher. Ficam com um troféu e uma mixtape.

Hanson trabalhou com pelo menos duas dúzias de homens divorciados nos últimos cinco anos, disse ela, oferecendo serviços que vão muito além do design de interiores, incluindo abastecer a despensa, dar aulas de culinária e muito mais. Mas quando se trata de decoração, as poltronas de couro são uma das solicitações mais comuns, segundo ela, juntamente com TVs de tela plana de mais 60 polegadas.

Dyment, de 43 anos, disse que o estado da casa nova de seu marido depois que eles se separaram, há cinco anos, foi o que a inspirou a concentrar o seu negócio nos homens divorciados.

? Ele me disse que aquele foi o pior momento de toda a sua vida. E foi o pior momento da minha vida, mas eu ainda dormia na minha própria cama. Pelos primeiros seis meses, nós dois não queríamos que os nossos filhos visitassem o local onde ele estava morando, porque era um porão, e era escuro e horrível.

Quando ele se mudou novamente, ela se ofereceu para decorar o apartamento.

? Como mãe e ex-mulher, quero saber que meus filhos estarão em um lugar limpo, acolhedor e organizado ? disse ela.

Porém, o desafio é criar um lugar que pareça acolhedor não só para as crianças, mas também para potenciais parceiras amorosas. A casa de cinco quartos que Manrao decorou para Tim Geddes, de 46 anos, em Los Angeles, que trabalha com capital privado, tenta seguir esse caminho: é confortável para uma família, mas não é uma casa de família.

? Pode ser que uma mulher visite a casa e não perceba necessariamente que há crianças que a frequentam. Ela não foi projetada da forma que a casa de uma família seria projetada ? disse Manrao.

Ainda assim, ela teve o cuidado de incluir elementos que sabia que agradariam o filho e a filha de Geddes, que tinham oito e seis anos de idade na época, como um papel de parede com molduras em que eles podiam desenhar e colar as suas próprias fotos. Como disse Geddes:

? As pessoas diriam que é a casa de um homem, mas que ainda assim ela tem uma suavidade.

Leia mais
Comente

Hot no Donna