Dieta do mediterrâneo pode reduzir quilos que surgem com o passar dos anos

Resultados foram satisfatórios principalmente para quem tem tendência a engordar

Consumo de alimentos integrais, óleos vegetais, sementes e peixes é a base da dieta
Consumo de alimentos integrais, óleos vegetais, sementes e peixes é a base da dieta Foto: Divulgação, Stoch Photos

Defensores da já conhecida dieta do mediterrâneo ganharam mais um argumento em seu favor. Um estudo divulgado recentemente aponta a eficácia desta dieta para reduzir o ganho de peso comum ao passar dos anos, principalmente em pessoas que têm tendência a engordar. A pesquisa foi realizada em parceria entre a Universidade Navarra, da Espanha, e pela americana Harvard University.

Os pesquisadores analisaram mais de 10 mil voluntários com 38 anos durante seis anos, comparando aqueles que seguiram fielmente a dieta mediterrânea com aqueles que mantinham outros hábitos alimentares. Neste período, foi constatado que a dieta beneficia mais o sexo masculino. Os homens pesquisados que seguiram a dieta engordaram cerca de 128 gramas por ano, em média. O dobro desse peso foi percebido naqueles que não tinham o plano alimentar: 287 gramas por ano.

O efeito foi menos acentuado nas mulheres. Os dados entre elas apontaram um aumento de 242 gramas por ano nas que seguiram a alimentação mediterrânea, contra 300 gramas entre as que não optaram pela dieta.

Entre os que tinham tendência a engordar os resultados também foram animadores:

? Os participantes que ganharam mais de três quilos ao longo dos cinco anos anteriores, no início do estudo, ganharam apenas 48 gramas por ano com a dieta. Os que não seguiram a dieta ganharam 261 gramas em média, tanto mulheres como homens ? afirma um dos pesquisadores Juan José Beunza.

Beunza adverte que, apesar de os números parecem pequenos, se projetados a longo prazo, representam diferenças significativas do ponto de vista clínico de controle do peso corporal.

Quanto à ideia de que é normal ter ganho de peso com a idade, o autor afirma que trata-se de crendice:

? É realidade que o padrão da dieta mediterrânea reduz o ganho de peso que normalmente ocorre com a idade, mas este aumento não deve ser considerado normal.

A pesquisa acaba de ser publicada na revista de nutrição American Journal of Clinical Nutrition.

No que se baseia a dieta do mediterrâneo?

A dieta do mediterrâneo foi criada com base na alimentação usada em países da região do mar Mediterrâneo, como Itália, Grécia, Portugal, Espanha e França, visando uma melhor qualidade de vida através de uma rotina alimentar saudável e que não priorize apenas o controle do peso. Segundo a nutricionista do Centro de Obesidade e Síndrome Metabólica do Hospital São Lucas da PUCRS, Anália Barhouch, as orientações desta dieta são realmente benéficas para saúde pois se baseiam na redução do consumo de gorduras ruins e carboidratos brancos.

A carne vermelha, a manteiga e os pães e massas brancas, neste modelo de dieta, encontram-se no topo da pirâmide, que indica o menor consumo. Em compensação, a dieta orienta a ingestão de mais proteínas magras, como peixe, frango e ovos.

A dieta prioriza:

:: Carboidratos integrais: como pães, massas, arroz e cereais integrais;

:: Óleos vegetais: como azeite de oliva e óleo de girassol;

:: Frutas e verduras em geral

:: Oleaginosas: como nozes, castanhas e amendoim;

:: Leguminosas: como feijão, soja lentilha, ervilha, grão de bico;

Alerta da nutricionista:

? Apesar de fazerem muito bem para a saúde, é preciso moderar o consumo das oleaginosas e óleos vegetais, pois são bastante calóricos ? explica Anália.

Na dieta também foram inclusas duas recomendações que causam divergências entre nutricionistas e médicos. Ela indica a ingestão de vinho e suplementos vitamínicos.

? É preciso ter cuidado. A recomendação do vinho é de uma taça por dia.

A consulta individualizada com um profissional é essencial para identificar as necessidades específicas de cada pessoa e, com base nisso, montar a dieta mais adequada.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna