Excesso de atividades pode levar ao estresse infantil

Famílias preocupadas com a boa formação acabam sobrecarregando os filhos

Desânimo e cansaço são sintomas de que a criança está sobrecarregada
Desânimo e cansaço são sintomas de que a criança está sobrecarregada Foto: Divulgação, stock.xchng

Pela manhã, balé, inglês, natação. À tarde, escola. À noite, aula de francês.

Agendas apertadas são cada vez mais comuns na vida das crianças e tendem a ser compreendidas como necessidade para os pais. Na verdade, preocupadas com o futuro dos filhos, as famílias acabam sobrecarregando os pequenos para que eles tenham uma boa formação e ocupem o tempo que o pai e a mãe estão longe de casa.

Embora algumas atividades sejam importantes para o desenvolvimento, como a prática de esportes, excessos na rotina podem causar o estresse infantil. Muitas vezes difícil de identificar, o mal é esclarecido pela psicóloga Cristina Horta, consultora do Programa Panvel Sempre Bem.

Como administrar a “agenda” dos filhos sem que eles se sintam sobrecarregados?

Cristina – É importante que os pais fiquem atentos ao ritmo de cada filho e aos sinais de sobrecarga. Cansaço, desânimo, tristeza, irritabilidade e mau humor são alguns sinais. Mas, mesmo que a criança não demonstre sobrecarga, pais e educadores devem ficar atentos à existência de horários realmente livres, espaços de tempo em que ela não tenha compromisso algum e não precise utilizar com os temas da escola. O tempo livre é importante para que a criança descanse, brinque, crie e descubra coisas novas e novas habilidades.

A partir de qual idade as crianças poderiam começar a ter uma agenda mais “apertada”?

Cristina – Agendas apertadas não são indicadas para a infância.

Qual a importância do brincar para acabar com o estresse infantil?

Cristina – Brincar é, ou ao menos deveria ser, a principal atividade da criança. Assim como a sociedade cobra que os adultos trabalhem, deve cobrar que as crianças brinquem. Se pensarmos no desenvolvimento emocional infantil, devemos saber que observando e interagindo com a criança, enquanto ela brinca, conseguimos nos aproximar do que passa no seu mundo interno. Por meio das brincadeiras, ela tem a chance de expressar sentimentos e fantasias e, estando atentos a eles, podemos avaliar se está estressada e o que a está deixando estressada. Brincar será importante para dar vazão a esses sentimentos, mas para acabar com o estresse será preciso detectar e eliminar o fator estressante.

Leia mais
Comente

Hot no Donna