Filho de Sakineh pede interferência da Itália para salvar sua mãe

Iraniana foi condenada à morte por apedrejamento acusada de adultério

O veredicto sobre o caso extramarital de Sakineh chama a atenção do mundo todo
O veredicto sobre o caso extramarital de Sakineh chama a atenção do mundo todo Foto: Divulgação

O filho da iraniana Sakineh Mohammadi Ashtiani, que havia sido condenada à morte por apedrejamento acusada de adultério, fez um apelo à Itália para que intervenha no caso depois do anúncio de que sua mãe poderia ser enforcada sob a alegação de ter sido cúmplice do assassinato do marido.
  
? Pedimos às autoridades italianas que interfiram para nos ajudar ? afirmou à Ansa Sajjad Ghaderzadeh, um dos dois filhos da mulher de 43 anos que está no centro de uma campanha em defesa dos direitos humanos que coloca em lados diferentes o governo do Irã e boa parte da comunidade internacional.
  
? As autoridades pretendem anunciar oficialmente a condenação à morte de minha mãe em duas semanas ? continuou Sajjad, depois que o procurador-geral da nação persa, Gholam Hossein Mohseni-Ejei, comunicou ontem a condenação à forca pelo segundo crime do qual Sakineh é acusada.
  
De acordo com o filho, o advogado Javid Houtan Kian irá no sábado a Teerã para conversar com autoridades judiciárias na tentativa de modificar o veredicto. Contatado pela Ansa, o representante legal não quis fazer comentários sobre o caso.
  
Em entrevista ao Tehran Times, Mohseni-Ejei havia dito que a decisão da Justiça iraniana de considerar que Sakineh teve participação no homicídio do marido e condená-la à morte por enforcamento tem precedência sobre a punição por adultério, pelo qual ela seria apedrejada.
  
O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da nação persa, Ramin Mehmanparast, no entanto, rejeitou hoje que a decisão anunciada pelo procurador-geral seja definitiva, e garantiu que os procedimentos legais ainda não foram concluídos.
  
Sobre o apelo de Sajjad, a Chancelaria da Itália recordou que o país é contrário à pena de morte “em qualquer lugar e de qualquer maneira que venha a ser executada”, segundo o porta-voz da diplomacia, Maurizio Massari.
  
? Esperamos fortemente que a condenação possa ser revista ? continuou ele, garantindo que o governo do premier Silvio Berlusconi “continuará a trabalhar com a máxima determinação, como feito até agora”.
  
A ministra italiana para a Igualdade de Oportunidades, Mara Carfagna, comentou a jornalistas que “as notícias que chegam sobre Sakineh nos alarmam e perturbam muito”, e desejou que a iraniana não seja executada “com base em um processo sumário e com testemunhos estranhos”.

Leia mais
Comente

Hot no Donna