Fisiologista esclarece diferenças de se exercitar na academia e ao ar livre

Especialista em Fisiologia acredita que cada opção tem suas vantagens

Fisiologista acredita que o importante é exercitar-se, independente de locais fechados ou abertos
Fisiologista acredita que o importante é exercitar-se, independente de locais fechados ou abertos Foto: Daniel Marenco

Quando o assunto é exercício físico, muitos rechaçam a ideia de ir para uma academia, fazer musculação ou enfrentar aulas agitadas em turma. Preferem caminhar em um parque, fazer atividades ao ar livre e respirar ar puro. Mas também há os que preferem se exercitar em locais fechados, com a garantia de que o exercício não será atrapalhado por fatores externos.

O especialista em fisiologia do Sport Check-up do HCor, Diego Leite de Barros, acredita que cada opção tem suas vantagens.

? Em locais abertos, os estímulos visuais proporcionados pelo próprio ambiente acabam sendo uma vantagem significativa, principalmente para corredores e ciclistas. As atividades em locais fechados ou academias são interessantes por possuírem estruturas mais completas, maior variedade de atividades e também pela questão climática ?, pondera.

Segundo o especialista, em academias as atividades de fortalecimento muscular, aulas de ginástica e suas variações são mais comuns. Já as atividades em parques e outros ambientes abertos são geralmente voltadas para os treinos aeróbicos, como corrida e ciclismo. Além disso, em locais abertos a chuva é um dos principais problemas, além da exposição ao calor e o frio, por isso, roupas leves e muita hidratação são as principais dicas. Vale destacar a qualidade do terreno que se está exercitando, buracos e guias são uma das principais causas de quedas nestes ambientes.

O prazer de se exercitar ao ar livre ou a praticidade de uma academia? Poder controlar todas as variáveis e manter uma prática regular ou a flexibilidade de horários?

Veja quais são as diferenças de praticar natação, corrida ou ciclismo em ambientes fechados ou abertos.

:: Natação ::

Local fechado: A piscina coberta oferece conforto e segurança ambiental: é possível nadar em qualquer horário e quaisquer que sejam as condições climáticas. No caso da natação, este último aspecto tem um peso até maior do que nas outras atividades. Treinar em locais fechados possibilita uma prática mais regular e constante.
 
Local aberto: Apesar de estar sujeita a chuvas e trovoadas, a natação em locais abertos costuma ser mais prazerosa. Quando praticada no mar, em rios e em lagos, por exemplo, envolve paisagens motivadoras, contato com a natureza e sensação de aventura. E, mesmo em uma piscina convencional, a luz natural já é o suficiente para produzir estímulos sensoriais mais agradáveis. “O treino em águas abertas é mais indicado para quem quer desenvolver resistência, enquanto a piscina favorece mais o ganho de força muscular”, explica o fisiologista.
 
:: Corrida ::

Local fechado: Como em todas as atividades feitas em locais fechados, correr na esteira significa não ter de se preocupar com as condições climáticas. Em épocas de muito frio ou de calor intenso, é mais aconselhável praticar a corrida em ambientes climatizados, especialmente para quem ainda não atingiu um bom condicionamento físico. A esteira representa um impacto menor do que um piso como o asfalto. Porém, como os movimentos são pouco variados, a chance de causar lesão por esforço repetido é maior do que na corrida feita em ruas ou em parques. A possibilidade de controlar o tempo todo variáveis como velocidade, batimentos cardíacos ou inclinação do piso facilita a supervisão do treino.

Local aberto: A luz natural e a diversidade da paisagem fazem com que a corrida ao ar livre seja mais estimulante. Além do prazer, mobiliza algumas funções cerebrais como a concentração e a atenção – na esteira, há mais chance de os movimentos serem feitos de forma mecânica, com pouca consciência do trabalho corporal que está sendo realizado. Em locais abertos, a troca de oxigênio e gás carbônico é maior. Pode ser bom para quem tem problemas respiratórios, mas, em épocas e locais de muita poluição, passa a ser uma desvantagem. Não é recomendável correr quando o sol está forte, mesmo nos horários considerados mais seguros para a exposição ao sol, é indispensável o uso de protetor solar.
 
:: Ciclismo ::

Local fechado: Na bicicleta estacionária, podem ser obtidos bom condicionamento cardiorrespiratório e grande gasto calórico com segurança – não há risco de quedas ou acidentes de trânsito, por exemplo. O ambiente fechado também oferece segurança climática. Porém, é comum o praticante não colocar tensão no pedal, o que pode gerar movimentos de forma desorganizada, aumentando a chance de lesões no joelho. O chamado ciclismo “indoor” pode ser praticado por iniciantes e até mesmo por quem não sabe andar de bicicleta e dispensa equipamentos como capacetes ou óculos.

Local aberto: No ciclismo ao ar livre, o fator vento é determinante. Além de dificultar a pedalada, é um dos responsáveis pela sensação de prazer relacionada a essa atividade. Por outro lado, ventos muito fortes podem ser impeditivos à prática.

Pedalar na rua implica desvantagens climáticas (chuva, frio ou calor excessivos), maior exposição à poluição atmosférica e problemas em relação ao tráfego, principalmente. Estes últimos podem ser contornados quando se pedala em ciclovias ou parques, mas a atividade exige sempre o uso de equipamentos de segurança e requer certo preparo. Andar de bicicleta em espaços abertos exige mais trabalho dos músculos abdominais, fundamentais para manter o equilíbrio do ciclista.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna