Gene da infidelidade está presente em uma a cada quatro pessoas

Pesquisa revela a existência do gene DRD4 em homens e mulheres

Infidelidade é, para o juiz do processo, "grave violação de dever do casamento"
Infidelidade é, para o juiz do processo, "grave violação de dever do casamento" Foto: Stock Photos, Divulgação

Cuidado para não deixar que o seu parceiro use esta nova descoberta científica como uma desculpa para pular a cerca. Uma pesquisa feita pela Universidade do Estado de Nova York, nos Estados Unidos, mostrou que uma em cada quatro pessoas tem o gene DRD4, apelidado de gene da traição. Segundo os cientistas, homens e mulheres com esta característica genética têm uma facilidade maior para trair e, quando traem, costumam manter casos esporádicos com diversas pessoas em vez de se envolver com uma só.

O pesquisador Justin Garcia, coordenador do estudo, afirma que é claro que vários fatores, e não só um gene, abrem espaço para uma traição. Mas no estudo feito com 189 pessoas, foi possível perceber que aqueles que carregavam o DRD4 traiam duas vezes mais do que os sem esta característica genética.

? Descobrimos que indivíduos com esta variação genética tinham uma tendência maior à infidelidade. A motivação parece vir da forma como o cérebro processa a dopamina, neurotransmissor ligado ao sistema de recompensas. É como se, durante a traição, eles recebessem uma descarga maior de prazer ? escreveu Garcia na revista especializada PloS.

? Pessoas com esse gene podem se sentir felizes em um relacionamento sério, mas ao mesmo tempo podem ter uma vontade quase incontrolável de trair o parceiro ? completou.

Para Garcia, o gene não necessariamente irá aumentar as chances de infelicidade conjugal. O pesquisador acredita que o impulso da traição pode ser canalizado de outras formas:

? O gene DRD4 também está ligado a uma visão política mais liberal e a um comportamento mais aventureiro.

Leia mais
Comente

Hot no Donna