Hotéis, spas e serviços internacionais que só aceitam mulheres

Veja uma seleção de locais que primam pelo atendimento estrelado para suas clientes

Grange City Hotel conta com dezenas de suítes para mulheres
Grange City Hotel conta com dezenas de suítes para mulheres Foto: Reprodução

Elas batalharam para serem tratadas “que nem homem” e agora o que a mulherada curte é um cantinho exclusivo, onde macho não entra nem de fininho ? e nem mesmo de filhinho. O assunto em pauta são hotéis exclusivos para hóspedes femininas, e outros que reservam andares inteiros só para quem usa salto, spas que não admitem a entrada de barbado e serviço de táxi para a clientela de batom.

E, por favor, não imaginem que, no caso de hospedagem, se trata de algum tipo de hostel, ou organização beneficente, onde pode existir, de fato e por motivos práticos, segregação entre os gêneros. Nada disso: quem oferece a regalia são estabelecimentos estrelados, como o 5 estrelas Grange City Hotel (www.grangehotels.com), em Londres, que entre mais de 300 suítes, rotula 68 como female friendly rooms. E mostra que entende a cabeça das ladies ao caprichar na potência do secador de cabelos, na iluminação dos banheiros e, last but not least, na profusão de espelhos ? inclusive um daqueles de aumento que amamos e odiamos ao mesmo tempo, imprescindível para nos maquiarmos.

Por aqui, no Sul, o leque de regalias oferecidas pelo Radisson (Tel.:(41) 3351-2222), em Curitiba, vai além: no andar feminino, com 7 apartamentos da categoria premium, até mesmo os tons dos ambientes são descolados, ressaltando a decoração com um mix de cores claras e vivas. Isso sem falar nos roupões cor de rosa e nos chinelinhos lilás, na presença da balança, no kit com produtos de beleza que inclui sabonete esfoliante e no “kit emergência”, que contém, realmente, produtos para salvar uma mulher à beira de um ataque de nervos : acetona, base, meia-calça e… absorvente. Apesar de não ser cortesia, como as outras amenidades, qualquer uma paga rindo por estes itens de primeira linha.

No design hotel Lady’s First & Spa (www.ladysfirst.ch), em Zurique, na Suíça, tudo é helvéticamente discreto, desde a fachada do prédio. O décor é uma mescla entre o austero, o clean, o moderno e o simétrico. Quando abriu as portas, há mais de uma década, o hotel era exclusivamente para senhoras. Com o passar dos anos, cedeu às pressões e hoje mantém apenas o 4 andar com quatro suítes como um Lady’s Floor, que é justo o andar em que fica o wellness center onde, aí sim, só entra luluzinha. Lá dentro, podem perambular pelo hamman, relaxar na sala de repouso e tomar banho de sol no terraço sem se preocupar com a aparência. Quer coisa mais gostosa? E caso alguém queira armazenar algum mancebo para passar a noite, precisa se mudar para um andar misto… Não é bem o caso do pioneiro Artemisia (www.frauenhotel-berlin.de), em Berlim, na Alemanha, que desde a sua inauguração em 1989 como um frauenhotel, nunca abriu exceção para varões. Apenas admitem filhos – mas não adianta tentar contrabandear nenhum rebento púbere, não cola.

? Herren só até 13 anos ? concede a gerente Ellen Antonini. ? E esta norma vale inclusive para casal gay masculino. O projeto é feminista mesmo! ? diz ela, acrescentando que o estabelecimento é gay friendly.

Segundo Ellen, damas procuram o hotel por se sentirem mais seguras num ambiente exclusivamente feminino, “onde até o staff é composto só de mulheres”. E ainda dá uma dica para quem duvida da vantagem de se aboletar num de seus 19 quartos: as diárias são convidativas e o hotel desemboca na famosa avenida das compras, a Ku’damm. Ou seja, a poucos passos de Gucci, Prada e grifes afins.

Na Arábia Saudita, onde por lei nenhum hotel pode hospedar mulher desacompanhada sem a permissão escrita de algum parente masculino, 20 princesas sauditas tiveram a brilhante ideia de abrir o luxuosíssimo Luthan Hotel & Spa (www.luthanspa.com), em Riad, que só admite quem usa burca. Não entra nem pimpolho de colo. Graças a isso, conseguiram equacionar o problema daquelas que precisam pernoitar na cidade sozinhas. E, assim que pisam neste harém, as mulheres se beneficiam de um alvará de soltura: podem despir a indumentária e perambular por toda parte totalmente à vontade. Mais ainda: o spa oferece um tratamentos de beleza incríveis. A ironia é que, como o hotel fica afastado do centro da cidade e elas são proibidas de dirigir, é sempre um barbudo que as leva até lá.

Até mesmo no mundo dos transportes públicos alguém inventou um serviço de táxi que atende apenas lassies: é a frota inglesa Pink Ladies Táxis (www.pinkladiesmembers.co.uk), criada por Kerry Latora, ex-integrante da banda Atomic Kitten. Para se livrar da lei que proíbe a discriminação, a empresa está sob a efígie de um clube, e o meio de locomoção faz parte dos serviços oferecidos aos membros ? exclusivamente femininos.

A frota é da Renault Kangoos e todos os carros são… cor-de-rosa, que é para facilitar a identificação na hora da cliente embarcar. Atrás do volante, adivinhem, só damas, obviously. Que além da carteira de habilitação ostentam curso de auto-defesa e ficam na espreita até a cliente entrar em casa com total segurança.

Leia mais
Comente

Hot no Donna