IMC padrão pode elevar sua expectativa de vida

Brasil pode atingir o mesmo padrão de obesidade da população dos Estados Unidos em 2022

Quem está com sobrepeso também pode desenvolver problemas de saúde e não apenas os obesos mórbidos
Quem está com sobrepeso também pode desenvolver problemas de saúde e não apenas os obesos mórbidos Foto: Divulgação

Um estudo realizado nos EUA revelou que o Índice de Massa Corporal (IMC) ideal está associado a menor risco de morte. Publicado na última semana no New England Journal of Medicine, o estudo analisou mortes por diferentes causas e identificou que pessoas não fumantes, com o IMC entre 20 e 24,9, vivem mais. Os pesquisadores descobriram que pessoas saudáveis, que nunca fumaram, e que estavam com sobrepeso (IMC 25 a 29,9) tem 13% a mais de chances de morrer devido a complicações relacionadas à obesidade.

Em pessoas obesas, com IMC entre 30 e 34,9, o aumento de chances de morte é de 44%. Em pessoas com IMC entre 35 e 39,9 o risco é de 88% e de 250% em pacientes com obesidade mórbida, com IMC entre 40 e 49,9.

? Esse estudo mostra que todos que não estão no peso ideal correm um grande risco de desenvolver doenças e não somente as pessoas com obesidade mórbida, como muitos pensam ? destaca o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), Ricardo Cohen.

O resultado é a união de dados de 19 estudos realizados com 1,5 milhões de participantes. O IMC é uma relação de peso com a altura, utilizado no mundo todo como indicador geral de saúde. O IMC pode ser calculado dividindo o peso (em quilogramas) pelo quadrado da altura (em metros).

No Brasil, o aumento da obesidade já provoca reflexos na estatística de mortalidade. Levantamento divulgado pelo Ministério da Saúde aponta um crescimento de 10% no número de mortes causadas por diabetes mellitus entre os anos de 1996 e 2007.

? A obesidade já é um grande problema de saúde pública no Brasil e como consequência vemos o crescimento de outras doenças, como o diabetes. O número de diabéticos na América Latina deve aumentar 65% nos próximos 20 anos, atingindo 30 milhões de pessoas ? diz Cohen.

A doença, que é associada à obesidade, teve um crescimento de 10% entre os anos de 1996 e 2007. O diabetes já é a terceira causa de mortalidade do país, atrás apenas de doenças cerebrovasculares (derrame) ou do coração.

O diretor do Departamento de Análise e Situação de Saúde, Otaliba Libânio Neto, calcula que se o Brasil manter esse ritmo de crescimento da obesidade, atingirá o mesmo padrão de obesidade da população dos Estados Unidos em 2022.

O Brasil figura entre os 10 países com maior percentual de diabéticos, com 6,4% da população geral. Ao lado de outras doenças crônicas não transmissíveis, o diabetes é um dos principais desafios da área da saúde.

Tratamento Cirúrgico

Vários estudos realizados estão avaliando a eficácia da cirurgia bariátrica no tratamento do diabetes tipo 2, forma mais comum da doença, em pacientes obesos. O procedimento melhora a sensibilidade à insulina nos pacientes e a habilidade do corpo de aproveitar a glicose na corrente sanguínea. A sensibilidade à insulina é prejudicada em pessoas com diabetes tipo 2, resultando no acúmulo de açúcar no sangue. O procedimento representou 25% das 30 mil cirurgias bariátricas realizadas no país em 2009.

Os bons resultados da cirurgia para o controle do diabetes tipo 2 devem-se, basicamente, a dois fatores: à perda de peso do paciente e principalmente à alteração hormonal.

? No início pensava-se que o controle da doença era consequência apenas do emagrecimento do paciente, porém os índices ligados a diabetes eram normalizados poucos dias após a cirurgia, antes que houvesse uma perda significativa de peso. Portanto, concluiu-se que a alteração hormonal também tem um papel fundamental no êxito do tratamento ? explica Ricardo.

A cirurgia pode ser indicada no tratamento de pacientes diabéticos tipo 2, com IMC (Índice de Massa Corpórea – peso dividido pela altura ao quadrado ) acima de 35. Ainda está em estudo pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) a liberação do procedimento para pacientes com IMC entre 30 e 35. Para pacientes com o IMC abaixo de 30 a cirurgia ainda não é indicada, porém o Brasil desponta como o país que mais investe em estudos para adaptar o método que irá beneficiar pacientes não obesos.

Leia mais
Comente

Hot no Donna