Implante de silicone pode melhorar qualidade de vida após o câncer de mama, diz estudo

Pacientes que optaram por implantes salinos apresentaram diferentes queixas após o procedimento

Vacina em teste nos Estados Unidos consegue prevenir a formação de tumores em cobaias e permite sonhar com uma revolução na medicina
Vacina em teste nos Estados Unidos consegue prevenir a formação de tumores em cobaias e permite sonhar com uma revolução na medicina Foto: Divulgação

Um estudo realizado no Memorial Sloan-Kettering Cancer Center, de Nova York, apontou que mulheres que recebem implantes de silicone, após a cirurgia de câncer de mama, são mais felizes com suas mamas reconstruídas do que as mulheres que recebem implantes salinos, revela um novo estudo americano.

A pesquisa, realizada pelo cirurgião plástico Colleen McCarthy, ouviu 472 pacientes sobre a experiência delas em relação à cirurgia reconstrutiva, após o câncer de mama. Foram ouvidas 176 mulheres com implantes de silicone e 306 mulheres com implantes salinos. O resultado apontou que as mulheres que tinham recebido implantes de silicone estavam mais satisfeitas com a aparência dos seus seios.

Segundo as participantes do estudo, os implantes de silicone apresentavam um formato mais natural. Ambos os implantes podem gerar rugas, mas o implante de silicone tende a enrugar menos. O estudo observou que, ao longo do tempo, as mulheres que haviam recebido os implantes salinos queixavam-se mais de má cicatrização e de que a área ao redor do implante endurecia. As participantes do estudo que tiveram apenas uma mama removida e reconstruída por meio de implantes salinos apresentavam também problemas de assimetria mamária.

Nos Estados Unidos, o reembolso do seguro de saúde não faz diferença entre implantes de silicone e de solução salina. Os cirurgiões também não recebem incentivos financeiros para recomendar um tipo de implante. Todas as mulheres que recebem implantes de silicone são aconselhados a realizar ressonância magnética cerca de três anos após a cirurgia, para se certificarem de que o dispositivo não se rompeu ou vazou.

A polêmica do silicone

A conclusão do estudo, após anos de polêmica em torno de implantes de silicone nos Estados Unidos, fortalece uma medida adotada em 2006, pela FDA- The United States Food and Drug Administration – a de revogar a proibição (que perdurou 14 anos) de implantes de silicone, após a mastectomia. A proibição em terras americanas se baseava na opinião de grupos feministas e grupos de consumidores , que se preocupavam com o vazamento do silicone e com o aparecimento de outros problemas de saúde que poderiam ser desencadeados pelo implante.

? Consideramos o estudo americano muito importante porque finalmente, as americanas podem fazer uma escolha estética que se encaixa com seus valores e preferências. Isto é muito relevante para alguém que está se recuperando de um câncer de mama ? destaca o cirurgião plástico, Ruben Penteado, diretor do Centro de Medicina Integrada.

Outro aspecto fundamental toca num assunto muito debatido nas clínicas e consultórios: a segurança dos implantes de silicone.

? Há mais de 30 anos, a prótese de silicone é uma das técnicas utilizadas para aumentar ou reconstruir as mamas, em todo o mundo, mas, periodicamente, a discussão relativa à colocação dessas próteses e sua relação com o câncer de mama vem à tona. Observamos na prática clínica que esta dúvida é muito recorrente entre as mulheres que desejam colocar uma prótese de seios. Muitas vezes, a paciente chega ao consultório ‘bombardeada’ por opiniões ambíguas, muito insegura em relação ao procedimento ? explica Ruben Penteado, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

A colocação de implantes de silicone com finalidade estética não atrapalha a realização de exames como mamografia, ultra-sonografia e ressonância magnética.

? Porém, se os implantes forem muito grandes, pode haver alguma dificuldade na compressão dos seios, diminuindo a qualidade das imagens obtidas e prejudicando o resultado do exame. Vale enfatizar que, na mamografia em mulheres com próteses, é necessário realizar a chamada ‘manobra de Eklund’, em que se traciona a mama, para expor ao Raio X apenas o tecido mamário. Se isso não for feito, a prótese poderá interferir no resultado do exame ? diz Penteado.

Leia mais
Comente

Hot no Donna