Ingestão de vitamina A é deficiente no Brasil: saiba como resolver o problema

Alimentação correta pode reduzir o uso de antibióticos e antiinflamatórios

Não é preciso lavar diariamente o cabelo, alerta o especialista
Não é preciso lavar diariamente o cabelo, alerta o especialista Foto: Divulgação

Dificuldade de enxergar em ambientes escuros, acne, facilidade para gripar, síndrome pré-menstrual e atraso no crescimento podem sinalizar falta de vitamina A. Segundo o Ministério da Saúde a deficiência atinge 12,3% das mulheres com idade de 15 a 49 anos. Entre crianças com mais de 5 anos é de 17,4% e chega a 21,6% na região Sudeste.

A falta de informação é o principal problema no país. Um simples exame de sangue indica a insuficiência. De acordo com o oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, a alimentação correta inibe a evolução da maioria dos distúrbios decorrentes do déficit de vitamina A e reduz o consumo de medicamentos.

? Quem não controla a alimentação acaba tendo de usar mais antibióticos e antiinflamatórios, além de ficar exposto ao agravamento das doenças ? comenta.

O especialista explica que isso acontece porque a principal função da vitamina A é proteger nossa imunidade e a integridade das mucosas. Quando o assunto é a saúde dos olhos, ele diz que a deficiência predispõe à conjuntivite, ressecamento da córnea e conjuntiva. O resultado é a formação de cicatrizes que comprometem a visão.

Na retina, ressalta, ocorre o prejuízo da síntese da rodopsina, um pigmento que responde pela capacidade de adaptação à baixa luminosidade. É isso que origina a dificuldade de enxergar em ambientes escuros ou cegueira noturna. O distúrbio pode levar à perda definitiva da visão. O único tratamento é a reposição da vitamina com suplementação e dieta adequada.

Excesso pode ser tóxico

Buscar suplementação por conta própria pode ser arriscado, principalmente por tempo prolongado. Isso porque, a vitamina A fica armazenada no fígado e é mais difícil de ser eliminada.  Os principais sintomas de toxidade são:

– Perda de cabelo e peso
– Ressecamento da pele e mucosas
– Anemia
– Irritabilidade, fadiga e insônia

Queiroz Neto diz que a quantidade a ser ingerida depende das condições de saúde, sexo, idade e peso. Em mulheres grávidas, exemplifica, a expansão do plasma reduz a concentração de vitamina A. Por outro lado, estudos mostram que altas doses durante a gestação podem causar defeitos congênitos no feto.

Conclusão: o mais indicado para a maioria das gestantes é a reposição dietética. A regra pode mudar entre mulheres que antes da gravidez passaram por cirurgia bariatrica para perder peso. Isso porque, o procedimento diminui a absorção de vários nutrientes, inclusive da vitamina A.

Como melhorar a absorção

Estudos mostram que a biodisponibilidade da vitamina A pré-formada dos alimentos de origem animal  varia entre 70% e 90%, contra 20% a 50% das provitaminas A encontradas nos vegetais.

As principais fontes de origem animal são: fígado, manteiga, queijo, leite integral, gema de ovo e peixe.

As de provitaminas A incluem as raízes e frutas de cor amarela ou laranja e as folhas verdes.

Segundo Queiroz Neto a má absorção da vitamina A pode ainda estar relacionada a problemas gastrintestinais, dietas que restringem o consumo de proteínas ou gorduras e à dificuldade de assimilação de gorduras decorrente de doença celíaca ou hepatite. Algumas combinações podem potencializar ou reduzir a absorção.

Combinação potencializadora:

:: Com fontes de vitamina E (óleos vegetais, grãos integrais, nozes)
:: Com fontes de vitamina D: banhos de sol, óleo de fígado de peixe e cereais fortificados

Combinação redutora:

:: Com frutas cítricas: laranja, limão, abacaxi

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna