Início do ano letivo é o momento ideal para repensar o cardápio das crianças

Pesquisa revela que 34,8% dos meninos e 32% das meninas têm excesso de peso

Janet Marize Vivan lança livro sobre o tema
Janet Marize Vivan lança livro sobre o tema Foto: Porthus Junior

Chocolates, salgadinhos, doces, bolos e refrigerantes. São tantas as guloseimas nas cantinas das escolas que fica difícil para a criança saber dosar a quantidade e a qualidade dos alimentos. Dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares de 2008/2009 revelam que 34,8% dos meninos e 32% das meninas entre cinco e nove anos têm excesso de peso e 16,6% e 11,8%, respectivamente, são obesos. Como contornar o problema? Segundo especialistas, o velho e bom exemplo de casa ainda é a forma mais eficiente de transmitir às crianças o quanto é importante se alimentar de forma saudável.

Para a professora de educação nutricional Priscila Martins, é fundamental oferecer à meninada uma mesa farta e colorida, com opções de hortaliças, legumes e frutas:

– É mais fácil ensiná-los ainda pequenos do que tentar corrigir os erros depois.

E quanto à merenda? Para a administradora Lorena Pereira, 31 anos, no ambiente escolar fica mais difícil convencer as filhas, Gabriela, 14, e Luana, 10, a optarem pelo mais saudável:

– Acredito que tem muito a ver com a influência dos amiguinhos.

Lorena procurou ajuda profissional para mudar os hábitos alimentares das filhas:

– Elas nasceram nessa cultura de fast-food, e a minha intenção, ao procurar uma nutricionista, é incentivá-las a cultivar, desde cedo, a alimentação saudável.

Há oito meses, as meninas seguem a dieta proposta e já colhem os frutos da reeducação alimentar. A caçula estava na faixa da obesidade moderada e conseguiu emagrecer.

– Agora, a Luana está com sobrepeso, mas, como ainda vai crescer muito, basta que ela se mantenha assim – explica Lorena.

O programa da nutricionista inclui cardápios variados e um desafio para as meninas: caso consigam comer três frutas por dia e beber dois litros de água, obtêm o direito de lanchar o que quiserem na escola uma vez por semana. Nesse dia, vale desde bolo de chocolate a salgadinho. Nos outros, o lanche inclui sucos caseiros, frutas, barrinha de cereal e sanduíche light.

Para a nutricionista Amanda Branquinho, a indústria sabe como cativar os pequenos com embalagens coloridas e personagens de desenho animado. Então, é importante saber se a cantina e a escola têm o cuidado de oferecer lanches mais saudáveis. Amanda também orienta os pais a envolverem os filhos na escolha dos alimentos:

– Sempre ofereça opções variadas, tenha a preocupação de perguntar qual é a fruta de que eles mais gostam. Essas atitudes despertam o gosto pela alimentação saudável.

Lanche nutritivo melhora o desempenho

Para garantir a energia e os nutrientes necessários a um bom desempenho físico e psíquico na escola, basta incluir no lanche uma fonte de carboidrato, outra de proteína e uma fruta ou suco natural na merendeira. A nutricionista Amanda Branquinho acrescenta que biscoitos integrais, iogurtes, sanduíches com queijo branco e frutas são ótimas opções. Quanto aos alimentos industrializados, como achocolatados, sucos em caixinha, bolos e bolacha, um alerta:

– É melhor evitar esses alimentos, ricos em gordura, açúcar e sódio. E, além disso, estragam o paladar das crianças, que acabam se acostumando a alimentos mais doces.

Muitos pais se rendem à praticidade dos lanches prontos, mas vale lembrar que os alimentos preparados em casa são mais saudáveis.

– Os alimentos industrializados são pobres em nutrientes. Em excesso, trazem risco de obesidade, colesterol alto e diabetes – diz Amanda.

A nutricionista destaca ainda que a alimentação influencia, inclusive, na capacidade de concentração. Quando a comida é rica em gordura, as crianças tendem a ficar mais agitadas e acabam tendo dificuldade de aprendizado.

Para levar na merendeira

Um a dois anos – Fruta e uma bisnaguinha, biscoito de maisena ou pão. Prefira frutas a sucos ou vitaminas. Assim, a criança começa a reconhecê-las: banana, pera e maçã são boas opções.

Dois a seis anos – Suco de fruta natural, de preferência sem açúcar. Biscoito integral, torrada ou pão acompanhado por queijo branco e peito de peru. Também são indicados bolos de cenoura, banana, abacaxi ou laranja.

Sete a 12 anos – O que muda para as crianças nesta faixa etária é o tamanho das porções. Pães integrais, queijos, iogurtes, cereais, bolo simples e frutas são bem-vindos.

Leia mais
Comente

Hot no Donna