Livro retrata a vida e a obra do artista plástico Sílvio Pleticos

Publicação de Péricles Prade será lançada nesta quinta-feira, às 19h

Obra aborda todas as fases artísticas de Sílvio Pléticos, nascido na Croácia e naturalizado brasileiro
Obra aborda todas as fases artísticas de Sílvio Pléticos, nascido na Croácia e naturalizado brasileiro Foto: Divulgação

Compartilhar

O crítico e escritor Péricles Prade lança nesta quinta-feira, às 19h, o livro A Pintura de Sílvio Pleticos. Com edição da Letras Contemporâneas, a obra é fruto de intensa pesquisa e compreende a análise profunda dos estilos da obra do artista.

Com 160 páginas e fartamente ilustrado, o livro tem 16 capítulos. Nas primeiras páginas o autor faz um breve resumo do nascimento e da formação artística, além de relatar as influências decisivas para sua arte, como Rembrandt, Leonardo da Vinci, Picasso, Van Gogh e Michelangelo.

Quando o autor começa a relatar as fases artísticas de Sílvio, entendemos todos os movimentos pelos quais o catarinense transitou: fase impressionista, pós-impressionista, fovista, expressionista e cubista.

Depois, o escritor reflete sobre linhas, volumes, cor e composição. Segue por tipologia e aspectos filosóficos até fazer uma leitura final em que evidencia a linguagem particular elaborada por Sílvio Pleticos.

Segunda Guerra Mundial

Segundo Prade, para melhor compreender a poética e a evolução da obra, um fator existencial deve ser enfatizado: o da participação na Segundo Guerra Mundial. Segundo o autor, a obra de Pleticos atravessa as diversas vertentes e resulta numa “linguagem pictórica singular, por ter alcançado síntese formal, caracterizada por indiscutível originalidade”.

Nascido em Pula (ex-Itália, hoje Croácia), o artista escolheu Santa Catarina para viver. E foi aqui que produziu uma pintura universal e influenciou uma geração de artistas consagrados.

Desenhista, pintor e escultor, a produção mais intensa e contínua de Pleticos é pictórica e foi objeto do estudo publicado no livro.

Artista e escritor se conheceram nos anos 1960, quando Prade estava em início de carreira. Encantando com o universo plástico do pintor, Péricles começou a escrever sobre sua obra.

Ao longo da carreira, mesmo que tenha sempre evitado o objeto como tema, diz Prade, o pintor, ao que parece, não conseguiu esta proeza devido ao ambiente que sempre o cercou. A temática do peixe e da vida à beira-mar é recorrente.

Leia mais
Comente

Hot no Donna