Mães acima dos 35 anos devem ter acompanhamento intenso no pré-natal

Até 25% das gestações em idade materna avançada resultam em aborto

Nos últimos 15 anos, 3,7 mil crianças morreram por causa da doença no país
Nos últimos 15 anos, 3,7 mil crianças morreram por causa da doença no país Foto: Johan Cloete, Divulgação

Após os 35 anos, o organismo é mais sujeito a complicações durante a gravidez, por isso a gestação é tratada com atenção especial e pode trazer riscos tanto para a mãe quanto para o bebê. 

? A mãe com idade mais avançada pode ter dificuldades de se adaptar à gravidez, pois há uma sobrecarga no funcionamento do organismo da mulher ? explica o obstetra Adolfo Liao, do Ambulatório de Obstetrícia do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

A cada seis gestantes atendidas no HC, atualmente, uma tem mais de 35 anos. Na década de 1970, a taxa era de uma a cada 20. O aumento é creditado a uma série de fatores, entre eles o avanço da medicina e a entrada das mulheres no mercado de trabalho ? o que as levam a adiar o momento de engravidar. 

? Esse fato é muito frequente e, talvez, se torne ainda mais daqui a alguns anos ? prevê o médico.

Até 25% das gestações em idade materna avançada resultam em aborto. Segundo o obstetra, quando uma mulher com 20 anos engravida, a chance de ocorrer um aborto espontâneo é menor.

A taxa de bebês nascidos prematuramente também é mais alta e chega a 15%, devido a complicações como o diabete ou hipertensão. Essas duas doenças podem também afetar a formação e o desenvolvimento da criança. Mães com o diabete mal controlado no início da gestação podem gerar filhos com má formação física, sendo essas, em geral, no coração, no cérebro ou na coluna vertebral.

A complicação genética mais comum, cuja probabilidade é influenciada pela idade da mãe, é a síndrome de Down. A prevalência em fetos de mães com cerca de 20 anos chega a ser de uma em mil. Já nas mães com 35 anos ou mais essa fração é de uma em cada 350 gestantes. Conforme o aumento da idade, aumenta também o risco. 

? A chance de uma mulher de 40 anos ter um filho com a doença chega a ser de uma em 70 ? completa o obstetra.

Cuidado redobrado

Tendo em vista as complicações que a gestação de uma mãe com idade mais avançada pode ter, o acompanhamento durante o pré-natal deve ser muito mais intenso. 

? As consultas são mais constantes e os exames mais específicos para esse grupo ? explica o obstetra.

Para o médico, a mãe também deve estar consciente dos riscos antes de engravidar. O diagnóstico de doenças que podem afetar o desenvolvimento saudável do feto, como pressão alta ou diabetes, deve ser realizado antes do início da gestação e o tratamento deve ser feito com remédios que não afetem a formação do feto. 

? Alguns remédios para controlar a pressão podem induzir à má formação ? exemplifica.

Leia mais
Comente

Hot no Donna