Melissa McCarthy desponta como queridinha da comédia norte-americana

Atriz foi indicada ao Oscar e interpreta uma professora bem-humorada no seriado Mike & Molly

Foto: Michael Lewis

Melissa McCarthy não permite que os obstáculos a impeçam de chegar aonde quer e aí se incluem a visão estreita de Hollywood, as opiniões de quem a difama e Sandra Bullock. A cena que as duas filmavam na comédia de ação As Bem-Armadas, na qual interpretam duas policiais totalmente diferentes, parecia relativamente simples, com ambas tentando forçar caminho por uma porta ao mesmo tempo, mas foi aí que McCarthy aproveitou a chance de fazer gozação com a colega e decidiu ser agressiva.

? Pensei em aproveitar o momento para sacanear. Empurrei Sandy Bullock com a maior força, tipo um safanão daqueles mesmo.

A parceira, apesar da aparência frágil, não ficou parada.

? Ela é pequenininha, mas tem força e revidou. Foi uma disputa de vida ou morte – brinca McCarthy.

Melissa engana com sua delicadeza. Pessoalmente, ela ainda é a ingênua que nunca perdeu o ar da fazenda onde foi criada nem o jeitão da professora bonachona e faladora que interpreta no seriado Mike & Molly, papel pelo qual ganhou um Emmy. No trabalho, no entanto, seu comprometimento e total segurança definiram alguns de seus melhores desempenhos, como a amiga carinhosa e passional de Missão Madrinha de Casamento, que lhe rendeu uma indicação ao Oscar.

As mesmas qualidades aparecem na detetive arisca, mas altamente competente, que encarna em As Bem-Armadas, lançado no final do mês passado nos Estados Unidos e com estreia prevista para setembro no Brasil.

Com seu jeito despretensioso, não demorou para Melissa McCarthy ganhar liberdade de interpretar uma variedade maior de personagens. Com uma fama que não para de crescer, ela tem o privilégio de ver papéis reescritos para si e filmes ganharem o sinal verde só por causa de sua presença. Por outro lado, a fama também a tornou alvo fácil para críticas pessoais, que ela define como “chocantes e inesperadas”.

Entretanto, McCarthy não tem a intenção de ser nem pioneira nem saco de pancadas. Quer apenas trabalhar sem ter que lidar com as consequências de sua comédia.

Poucos dias depois dessa entrevista, a atriz estava ensaiando nos palcos do Saturday Night Live, nos estúdio da NBC do Rockefeller Center. Às vezes parecia uma menininha, rindo dos atores Taran Killam e Vanessa Bayer em vez de fazer o quadro com eles.

Nos bastidores, Ben Falcone, marido de McCarthy e seu parceiro frequente (é ele quem interpreta o oficial de fala mansa por quem ela fica caída em Missão Madrinha de Casamento) explicava como a abordagem de sua mulher em relação ao trabalho continuava a mesma, mesmo depois de Missão ter levado a esposa ao estrelato.

? Nós ainda estamos acostumados com a ideia de ter que aceitar qualquer tipo de trabalho por pura falta de opção. Alguém manda um roteiro com a ideia mais insana, tipo, a Abominável Mulher das Neves, e você ainda para e pensa se não vale a pena.

Empilhando seriados

Antes de se tornar uma estrela, McCarthy, 42 anos, foi uma adolescente maluca por tênis de Plainfield, Illinois, e uma moça cosmopolita morando em Nova York, ganhando a vida com comédia stand-up. No final dos anos 1990, ela se mudou para Los Angeles e entrou para a trupe de teatro The Groundlings. Foi ali que aprendeu a diferença entre personagens excêntricas e as totalmente alucinadas.

Ensaiando com estrelas como Kristen Wiig e Maya Rudolph, McCarthy também conheceu Falcone, que a pegou em flagrante em uma aula improvisando um monólogo que fingira ter escrito. Enquanto seus colegas de grupo foram para o Saturday Night Live, Melissa optou pelos seriados. Primeiro, se tornou parte do elenco de apoio de Gilmore Girls como Sookie St. James. Em 2010, começou a rodar Mike & Molly.

Decidida a emplacar

Em 2011, Paul Feig, diretor de Missão Madrinha de Casamento, e o produtor Judd Apatow quebravam a cabeça para encontrar quem pudesse interpretar a amiga atrapalhada de Kristen Wiig. Feig dizia que a personagem tinha sido escrita para “ser toda nervosa e tensa, a amiga que vive tendo chilique e dando trabalho para todo mundo”. Quando Melissa McCarthy chegou ao teste, o diretor não teve dúvida que ela era perfeita para o papel.

? Ela chegou imitando Guy Fieri (um apresentador de tevê bonachão), usando camisa de boliche e falando com um jeitão meio rústico e confiante. Foi a imitação mais engraçada que já vi.

As Bem-Armadas foi outra oportunidade de construir uma personagem a partir do zero, de lhe dar cabelo frisado à la Patti Smith e roupas fora de moda. A parceira Sandra Bullock, que interpreta uma agente do FBI toda certinha, disse que era importante que o filme tivesse papéis que pudessem ser facilmente interpretados por homens.

? Temos duas protagonistas em um período em que a indústria do cinema está na onda da testosterona – comemora.

Paul Feig, que dirige As Bem-Armadas, repetindo a dobradinha com Melissa, disse que foi engraçado ver McCarthy dando um baile na namoradinha dos Estados Unidos, desafiando Sandra a todo momento. Também deu um depoimento sobre a evolução da atriz desde Missão Madrinha de Casamento.

? No primeiro filme ela mostrou umas sacadas criativas, mas era apenas mais uma no elenco. Agora, o que compartilha com outros astros é o fato de que aprendeu a brilhar. Ela sabe o que quer e não fazer, sabe pegar um traço que não existe em sua personalidade e torná-lo real.

Por causa da instabilidade da indústria do cinema, McCarthy sabe também que essa pode ser a única vez em que vai atuar em um filme com o qual se identifica cem por cento. Se o estrelato não durar, ela garante já estar preparada.

? Venho tentando conseguir os papéis de velhinha desde que tinha vinte e poucos anos. Estando velha de verdade, vai ser fácil conseguir.

As últimas do Donna
Comente

Hot no Donna