Micropigmentação ajuda a disfarçar a calvície

Procedimento simula sombra dos fios de cabelo e dá a impressão de maior preenchimento

Foto: Emerson Souza

A escova ficou cheia de fios de cabelo? Nem sempre isso é motivo de preocupação: os fios têm um ciclo de troca natural, caindo cerca de 50 a 150 por dia. Mas se você perceber que saem tufos ou que os fios novos são mais finos que os outros, pode ser calvície, sim. É possível que elas gostem mais dos carecas, mas, mesmo assim, muitos homens se sentem inseguros assumindo a condição.

A alopecia, mais conhecida como calvície, é um problema que afeta homens e mulheres – mas é mais frequente neles por estar ligada aos níveis de testosterona. Suas causas mais comuns estão associadas à herança genética e a distúrbios fisiológicos e emocionais, mas ela também pode ser desencadeada por alimentação desequilibrada ou má higiene do couro cabeludo. Nesses casos, a oleosidade excessiva da pele pode acarretar caspa, descamação e queda dos fios.

Um novo tratamento para a calvície, com resultados bastante efetivos, é a micropigmentação capilar. Um profissional especializado desenha fios em 3D no couro cabeludo do paciente, na mesma cor do cabelo natural, e esses pigmentos, aplicados na camada epidérmica da pele, simulam uma sombra causada pelos fios que se mistura ao cabelo com aspecto natural. Segundo a especialista Vanessa Silveira, esse procedimento é indicado para quem ainda tem alguns fios e só quer der uma impressão de cabelo mais “cheio”. Nas partes da cabeça que não apresentam fios, é realizada uma espécie de pintura da pele. Já para os carecas completos, o procedimento é um pouco diferente: simula o efeito de uma cabeça raspada, com “pontinhas” dos fios que aparecem. As mulheres que sofrem de calvície também podem fazer micropigmentação – e os resultados prometem ser naturais mesmo em cabelos longos.

Como funciona

O procedimento é indicado para pessoas que apresentam sinais de calvície, queda ou afinamento de cabelos, que buscam uam solução rápida e acessível -independentemente do estágio de alopecia em que estejam. Diabéticos, hemofílicos e apessoas alérgicas a certas substâncias devem consultar um médico antes de se submeter à micropigmentação.

Cada sessão dura em torno de uma ou duas horas, e a recuperação leva cerca de 30 dias. O tratamento é feito com diferentes cores de pigmentos e uma agulha especial – semelhante àquela de tatuagem – e disfarça o branco do couro cabeludo. Em alguns casos, a micropigmentação estimula um maior crescimento dos fios, por abrir poros que estavam fechados, mas esse resultado depende do organismo de cada pessoa.

Antes de fazer a aplicação, certifique-se de que o profissional não tem só o curso de micropigmentação (aquele para sobrancelhas e outras áreas mais comuns), mas também o específico para micropigmentação capilar. Imitar a sombra do cabelo exige um conhecimento mais complexo, como a localização dos nervos, pontos de aplicação da anestesia e noções de anatomia, além do entendimento de uma espécie de “design da cabeça”.

Leia mais
Comente

Hot no Donna