Mostra reúne fotomontagens de Grete Stern

Sonhos sobre transposições: reprodução de Amor Sem Ilusão, publicada na Idilio número 64, de 7 fevereiro de 1950
Sonhos sobre transposições: reprodução de Amor Sem Ilusão, publicada na Idilio número 64, de 7 fevereiro de 1950 Foto: Grete Stern

Em 1936, fugindo do nazismo na Europa, a fotógrafa judia-alemã Grete Stern encontrou seu porto seguro na Argentina – terra de seu marido, o também fotógrafo Horacio Coppola. Em Buenos Aires, entre 1948 e 1951, realizou um trabalho sui generis para a Idilio – La Revista Juvenil e Femenina, uma publicação de grande circulação entre moças e senhoras: fotomontagens que saíam junto a relatos de sonhos enviados pelas leitoras e a interpretações de seu conteúdo, feita por dois psicanalistas.

Parte dessa produção estará em exposição no Instituto Moreira Salles, no Rio, a partir de amanhã. A seção se chamava A Psicanálise Vai Ajudá-la, e as fotos, que remetem às vanguardas dadaísta e surrealista, invariavelmente têm na figura feminina a personagem central.

Por vezes, Grete utilizava partes de fotografias já existentes; noutras, produzia novas. Tudo partia de um esboço a lápis, a partir do qual ela ampliava os negativos. Do total de 140 fotomontagens publicadas na revista, só 46 negativos foram conservados. São essas fotos que estão expostas no IMS, na mostra Os Sonhos de Grete Stern: Fotomontagens. Trata-se da mesma exposição que ficou no Museu Lasar Segall de abril a junho.

As imagens tentam dar conta de uma questão complexa, como ressalta o psicanalista João Frayze no catálogo: “A representação de um sonho representa o quê, a narrativa do sonhador ou a interpretação que dela faz o ouvinte? Grete Stern chegou perto dessa complexidade.”

– É um trabalho muito inusitado, absolutamente original, não há nada semelhante. É interessante ver o papel que a psicanálise tinha em Buenos Aires ainda nos anos 1940 – aponta o curador, Jorge Schwartz, diretor do Lasar Segall. – Mais tarde, por volta dos anos 1960, Grete passou a expor a série sem o contexto da revista, o que mostra que começou a vê-la como obra fotográfica artística, autônoma, sem que fosse instrumento de coisa alguma.

Em sua longa trajetória, Grete também trabalhou com publicidade e fez retratos de personalidades como o dramaturgo alemão Bertolt Brecht, o escritor argentino Jorge Luis Borges e o artista plástico brasileiro Flávio de Carvalho.

Leia mais
Comente

Hot no Donna