O que ouvir, ler e ver no inverno 2010

Livros, filmes, discos e programas que são a cara do frio

Fique antenada com o que de melhor há para se fazer neste inverno
Fique antenada com o que de melhor há para se fazer neste inverno Foto: Jefferson Bottega

O QUE OUVIR

– Carriyng Stars
Artista: N* Grandjean
Depois de fazer sucesso no Brasil com a faixa Heroes and Saints, tema da novela Viver a Vida, o dinamarquês desembarca agora com seu disco inteiro. Lançado originalmente em 2008, é calcado naquele folk melancólico que tem tudo a ver com os dias frios, mas deixa espaço para experimentações. Perfeito como trilha de fundo para uma bela degustação de fondue.

– Otra Cosa
Artista: Julieta Venegas
A cantora mexicana fica entre Marisa Monte e Sandy, produzindo um pop delicado, bem feito e ao mesmo tempo sem amarras. Nas 12 faixas de seu último disco, instrumentos de corda, sopro e percussão convivem em rara harmonia, servindo de fundo para a voz firme e afinada de Julieta cantar sobre amor, amor e amor. Suba (ou desça) a Serra ouvindo.

– Stronger With Each Tear
Artista: Mary J. Blige
Rhythm and blues com rock. Batidas e sintetizadores com guitarras. Poderia dar errado, mas uma produção certeira e a voz sempre em forma de Mary salvam a empreitada e o resultado é uma mistura equilibrada de baladas lascivas (The One, I Love U, Stronger), faixas dançantes (I Can’t Wait, Good Love) e até clássicos do Led Zeppelin (Whole Lotta Love e Stairway to Heaven).

– délibáb
Artista: Vitor Ramil
Disco que marca a volta de Vitor Ramil à milonga, gênero que o músico escolheu para representar a sua “estética do frio”, délibáb registra o encontro do argentino Jorge Luis Borges com o gaúcho João da Cunha Vargas. Nas seis canções compostas sobre os escritos do primeiro, mais cosmopolita, as milongas são mais clássicas, épicas. Nas seis criadas a partir da poesia do segundo, as melodias, mais líricas, apresentam uma visão bastante sentimental da rotina diária do homem do pampa.

– Volume Two
Artista: She & Him
Projeto da atriz Zooey Deschanel com o músico M. Ward, o She & Him chega agora ao seu segundo disco misturando baladinhas açucaradas com faixas recheadas de pianos e guitarras nervosas típicas de indie rock. Tem espaço também para arranjos de cordas que remete aos conjuntos vocais sessentistas. Destaque para a instrumental Ridin’ in My Car.

O QUE LER

– Verão
Autor: J.M. Coetzee
Poucas coisas são menos solares e mais hibernais que a prosa seca, enxuta, quase clínica do Nobel sul-africano J.M. Coetzee. Em um romance que borra as noções de realidade e ficção, Coetzee narra a vida de um personagem com seu nome, também escritor famoso, por meio de depoimentos colhidos no futuro por um biógrafo. Tradução de José Rubens Siqueira. Companhia das Letras, 280 páginas.

– Os Informantes
Autor: Juan Gabriel Vásquez
Neste thriller, seu primeiro romance, o autor realiza um paralelo entre as histórias de um pai e de um filho e dois momentos da trajetória do país: os anos 1940 e 1950, quando a Colômbia recebeu levas de imigrantes europeus devido à II Guerra; e os 1980 e 1990, época em que a nação padecia a guerra civil do narcotráfico. Tradução de Heloísa Jahn. L&PM, 288 páginas.

– Encontros com 40 Grandes Escritores
Autor: Ben Naparstek
Coletânea de perfis jornalísticos e entrevistas elaboradas por Naparstek, jornalista australiano, editor da revista The Monthly, com nomes fundamentais da literatura contemporânea – de ficção ou não. Encontros com nomes como Paul Auster, Carlos Fuentes, Umberto Eco, José Saramago, Haruki Murakami, Tony Judt e Noam Chomsky, entre outros. Tradução de Elisa Nazarian. Leya, 246 páginas.

– Saramago: uma biografia
Autor: João Marques Lopes
Para quem gosta de eleger uma biografia como leitura de estação, a edição da primeira biografia do primeiro Nobel de Língua Portuguesa é uma opção interessante. Ainda que escrita por um admirador confesso do autor, repassa sua militância comunista e algumas das polêmicas que cercam o escritor, como a repercussão de O Evangelho Segundo Jesus Cristo. Leya, 248 páginas.

– Coração Apertado
Autora: Marie NDiaye
Vencedor da edição de 2009 do Prêmio Goncourt, o mais prestigiado das letras francesas, este romance perturbador é uma pérola do horror contemporâneo – sem precisar de vampiros ou outros seres sobrenaturais em voga. Um casal de professores de uma cidade interiorana passa, sem motivo aparente, a ser agredido e ameaçado por todos que cruzam seu caminho. Tradução de Paulo Neves. Cosac Naify, 272 páginas.

O QUE ASSISTIR

Filmes que ficaram inéditos nos cinemas da Capital, mas estão disponíveis nas locadores

– Desonra, de Steve Jacobs
Adaptação que honra o extraordinário livro que lhe deu origem, do escritor sul-africano J.M. Coetzee, prêmio Nobel de Literatura em 2003. John Malkovich vive o protagonista, um professor de literatura dividido entre duas realidades na África do Sul pós-Apartheid: numa ele ainda é o colonizador branco opressor; na outra, ele é acuado pela nova realidade.

– Por Uma Vida Melhor, de Sam Mendes
O diretor do oscarizado Beleza Americana e de Foi Apenas um Sonho volta a colocar a lupa sobre as complexas engrenagens que movem a vida a dois. A diferença é que o casal vivido por John Krasinski e Maya Rudolph está no auge da paixão. O mundo em torno deles parece desmoronar quando decidem ter um filho.

– O Acompanhante, de Paul Schrader
Um dos grande roteiristas da história do cinema (Taxi Driver entre outros filmes), Schrader conta a história de um gay endinheirado e fútil (Woody Harrelson) que circula com mulheres de políticos poderosos. Quando uma delas (Kristin Scott Thomas) vira suspeita de um crime, ele decide protegê-la e acaba envolvido numa perigosa rede de interesses.

– Estão Todos Bem, de Kirk Jones
Versão americana para o filme italiano Estamos Todos Bem (1990), de Giuseppe Tornatore. Robert De Niro assume o papel de Marcello Mastroianni, com um patriarca viúvo que decide cair na estrada para visitar os filhos adultos. A jornada é guiada por um balanço afetivo que aborda temas como velhice e sonhos da juventude frustrados na vida adulta.

– Lunar, de Duncan Jones
A estreia na direção do filho do músico David Bowie foi muito bem-recebida pela crítica internacional. Evoca o clássico da ficção científica 2001 – Uma Odisseia no Espaço com a saga de um astronauta solitário que, após três anos de missão numa base lunar, enfrenta um enigmático imprevisto pouco antes de voltar para casa.

ONDE IR

– Pousada do Engenho
(www.pousadadoengenho.com.br) Situada em São Francisco de Paula, é considerada por guias especializados em turismo, como o Quatro Rodas, como um dos lugares mais românticos do Brasil.

– Borghetto Santanna
(www.borghettosantanna.com.br) Também é indicação do Guia Quatro Rodas e está localizada no Vale dos Vinhedos. Ideal para um fim de semana romântico para degustar os vinhos da região.

– Bouquet garni
(www.bouquetgarnigramado.com.br) Restaurante fora do circuito tradicional de Gramado, fica à beira do Lago Joaquina Bier em uma casa toda de vidro e pedras. Dica especial do cardápio: Lombo de Cordeiro à Garni com Risoto de Abacaxi e Salada de Rúcula.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna