Os cuidados ao tomar um táxi

Caso da mulher de Maxi López leva EPTC e sindicato dos taxistas a orientarem população

Cinco minutos bastam para uma maquiagem básica
Cinco minutos bastam para uma maquiagem básica Foto: Divulgação, Agência O Globo

A suposta tentativa de sequestro contra a modelo e atriz argentina Wanda Nara, mulher do atacante gremista Maxi López, motivou uma série de orientações à população sobre o uso seguro do táxi.

Amais simples é anotar o prefixo, para futuras reclamações. Utilizar cooperativas de radiotáxi ou pegar o veículo no ponto oficial também ajudam a prevenir contratempos.

Wanda Nara denunciou ter sofrido uma tentativa de sequestro, segunda-feira, ao pedir para um taxista guiá-la do Shopping Iguatemi até o estádio Olímpico. Ela foi parar numa vila, precisou pedir socorro ao marido, Maxi López, e ao jogador Herrera. O episódio gerou dúvidas, mas serviu para alertar os usuários sobre medidas de segurança.

A Capital tem 11 mil motoristas, que rodam em 3.925 táxis cadastrados. O próprio Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintaxi) se previne de eventuais pilantras – uma praga que pode infestar qualquer profissão – e exige a punição dos culpados.

– Não queremos maus profissionais afetando a imagem da categoria. Não acobertamos atos ilícitos – avisa o presidente do sindicato, Luiz Nozari.

Memorize o prefixo do carro e peça recibo

As cautelas podem ser adotadas já no momento de se chamar um táxi. O melhor é acionar um motorista conhecido ou que esteja filiado a uma das sete empresas de radiotáxi da Capital. Elas costumam manter o cadastro de seus clientes, com fones e endereços.

No caso de Wanda Nara, novata em Porto Alegre, a recomendação é para que apanhe o táxi no ponto ou ligue para uma radiotáxi. Se tiver de pegar o veículo na rua, a regra é memorizar ou anotar o prefixo, além de pedir o recibo.

A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) ressalta que a maioria dos taxistas é honesta, muitos devolvem objetos esquecidos por passageiros dentro dos carros. Nos últimos cinco anos, a EPTC descredenciou 30 motoristas de táxi, por tempo determinado. Depois de cumprir a punição, alguns fizeram reciclagem e puderam voltar ao volante. Diariamente, a empresa recebe uma média de oito reclamações de usuários, a maioria sobre “falta de urbanidade” do condutor.

As punições variam, podendo chegar à cassação da licença (para taxistas empregados) e à perda da placa de permissionário (no caso do proprietário ser o infrator).

Como se prevenir

– Apanhar o táxi nos pontos oficiais
Preferir os serviços de radiotáxis, ligando para o telefone da companhia
Anotar o prefixo do carro
Conferir a carteira de identificação do condutor, exposta ao lado do taxímetro
Pedir recibo (inclui valor da corrida, nome do taxista, CPF, prefixo, placa do carro e data)

Onde reclamar em Porto Alegre

– Na Central de Atendimento ao Cidadão da EPTC, na Avenida Erico Verissimo, 5, Porto Alegre, das 8h30min às 17h
– Pelo telefone 118

Leia mais
Comente

Hot no Donna