Peças da moda para a história

Estilista Milka Wolff abrirá Museu da Moda com a evolução das vestes em 4 mil anos, na Região das Hortênsias

Milka dedicou dois anos a pesquisas para produzir o acervo do museu
Milka dedicou dois anos a pesquisas para produzir o acervo do museu Foto: Genaro Joner

A moda marca épocas, valoriza personalidades e, mesmo em constante movimento, pode costurar a história. Idealizado pela estilista gaúcha Milka Wolff, 69 anos, o Museu da Moda vestirá a função das páginas dos livros, e passará a contar a evolução das roupas que embelezaram milhares de gerações.

A partir de junho, em Canela, 4 mil anos de criações estarão dentro das vitrines que tornam 150 peças permanentes do museu em artigos históricos. Dois anos de pesquisa e envolvimento no projeto foram necessários para que fossem produzidas, com informações fidedignas, garante a estilista, todas as peças do acervo. Para ela, envolvida com o mundo da moda há 54 anos, o museu não é um simples adereço. Sonho quase realizado, deverá ser um marco, pelo ineditismo:

? Viajei muito pelo mundo todo, vi exposições de moda, e sempre me chamou a atenção como não tinha a história da moda representada fisicamente, somente em livros, e segmentados. O museu será uma grande obra que servirá de pano de fundo para a história da moda.

A linha que traçará o passeio, dentro dos 2,5 mil metros quadrados de área construída, revelará 20 cenários que tratarão de momentos históricos bem distintos. Dentro de vitrines, as peças confeccionadas _ muitas à mão, com tecidos puros, principalmente de seda e algodão ? darão mais vida ao que até então era sabido sobre a moda pelos livros.

? O museu pode servir de pesquisa, e acredito que as pessoas se surpreenderão com um pouco de tudo, principalmente quem estuda moda. Essa história precisa ser mostrada, porque o que é guardado não é o que é lido, mas o que é mostrado ? enfatiza Milka.

Junto aos ambientes, artigos antigos servirão de complemento para identificar as épocas. Da antiguidade até os anos 1700, o tear e a roca lembrarão como eram tecidas as peças manualmente, fio a fio. De lá, a história ganhará a modernidade, passando pela riqueza de detalhes das vestes das rainhas francesas até chegar à moda clássica da princesa contemporânea mais elegante: Lady Di terá um ambiente dedicado especialmente a ela, com réplicas idênticas de nove famosos vestidos.

À celebridade, se juntarão outras, de tempos em tempos, em exposições temáticas. Acostumada a antecipar tendências, Milka também lembrará dos clássicos do cinema, fazendo circular em seu museu a moda em evolução neste século 21.

Evolução em 150 peças
Antiguidade, dividida em: Egito, Pérsia, Síria, Grécia, Roma, e Bizâncio – a partir de 2 mil anos A.C.
Medieval – 512 a 1430
Renascença – 1431 a 1770
Iluminismo – 1711 a 1785
Era Napoleônica – 1786 a 1845
Belle Époque – 1846 a 1913
Avant garde (Vanguarda) – 1914 a 1949
Modernismo (separado por décadas) – 1950 a 1999
Século 21

Leia mais
Comente

Hot no Donna