Pernas exigem ida a um especialista ao primeiro sinal de varizes

Tratamento é simples e evita sofrimentos

Cérebro da mãe diminui o volume de tudo que não é o choro do bebê
Cérebro da mãe diminui o volume de tudo que não é o choro do bebê Foto: Divulgação, stock.xchng

Sempre, depois das caminhadas diárias, a aposentada Márcia Lígia Camargo, 53 anos, reclamava de dores nas pernas. Aliás, dores nas veias dilatadas, como faz questão de corrigir. Foram mais de 10 anos até decidir fazer a cirurgia de varizes.

– É uma bobagem protelar. É uma solução mais simples do que extrair um dente – avalia hoje, depois do tratamento a laser.

Como a aposentada, a maioria das pessoas percebe os sinais das indesejadas varizes devido a dor, cansaço e sensação de peso nas pernas. Finas e avermelhadas, grossas e volumosas, todas merecem uma visita ao consultório médico, não importa quando apareceram. Aliás, o ideal é procurar um especialista logo que se percebam alterações nas pernas.

De acordo com o angiologista e cirurgião vascular Cláudio Souza, o primeiro diagnóstico é visual, portanto feito pela própria pessoa ao notar mudanças na aparência das veias. Por essa razão, estar atento ao corpo é tão importante. O passo seguinte é o diagnóstico clínico, feito por um médico especializado.

Souza alerta que não há fatores condicionantes para o aparecimento das varizes. Apesar dos avanços das pesquisas, não se tem uma explicação definitiva. Sabe-se, no entanto, que a predisposição genética é determinante para que as doenças nas veias apareçam em pessoas de uma mesma família. Além disso, é comprovado que os hormônios femininos, o uso contínuo de anticoncepcionais e o sedentarismo influenciam o surgimento das doenças nas mulheres – mais acometidas pelo problema do que os homens.

É a partir dos 50 anos que elas passam a sofrer mais com as varizes, devido a mudanças hormonal e na musculatura. Especialistas acrescentam que as doenças nas veias, frequentemente nas pernas e nas coxas, aparecem também em decorrência do peso do corpo. Por isso, podem surgir ao longo das pernas de quem necessita ficar em pé durante muito tempo. O que poucos sabem é que o problema também pode aparecer no esôfago e no estômago, ainda que em ocorrências raríssimas.

As veias das pernas têm como função reconduzir o sangue ao coração após ter irrigado os membros inferiores. Elas têm válvulas cuja finalidade é impedir o retorno do sangue pela ação da gravidade. No entanto, esse mecanismo pode falhar. É quando o sangue empoça nas veias, provocando deformações, inchaços e alterações na sensibilidade da pele. Para as mulheres, os maiores sintomas aparecem durante a menstruação e a gravidez.

Como é o tratamento

A Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular esclarece que o tratamento clínico depende do estado das veias. As mais visíveis, que chegam a elevar a pele, devem ser tratadas com cirurgia, devido ao seu diâmetro.

Por serem avermelhadas, as varizes finas são facilmente reconhecidas e tratadas de um modo mais simples, pela chamada escleroterapia, um tipo de aplicação feito em consultório. Pode ser tanto com líquido e espuma quanto com laser. A medicação usada age necrosando as veias que deixam de conduzir sangue.

Em ambos os casos, as veias doentes devem ser retiradas porque não interferem mais na circulação. A retirada delas melhora a drenagem dos membros inferiores.

Kátia de Lima, 43 anos, não chegou a sentir desconforto físico. Decidiu fazer a cirurgia por uma questão estética e também comemora os resultados obtidos.

– Depois do terceiro filho, achei que era a hora de fazer a cirurgia – conta. No dia seguinte, ela já resolvia as pendências da casa e andava normalmente. O processo que antecedeu a operação teve velocidade parecida. Entre a primeira consulta e o dia da cirurgia, passou-se apenas uma semana.

Medidas preventivas

> Algumas vezes ao dia, procure elevar as pernas acima do nível do coração por alguns minutos, para facilitar o retorno do sangue para o centro do corpo.

> Use meias elásticas, principalmente durante a gravidez.

> Evite ganhos exagerados de peso.

> Procure não permanecer muito tempo parado, em pé ou sentado. Movimente-se: assim, os músculos das pernas ajudarão na circulação do sangue.

> Não use cintas abdominais apertadas.

> Adote uma dieta rica em fibras para evitar a constipação intestinal.

> Realize caminhadas e/ou exercícios físicos com supervisão médica.

> Não fume.

> Evite hormônios anticoncepcionais.

Fonte: Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna