Projeto identifica casos de câncer de mama em estágio inicial em Porto Alegre

Quando o problema é diagnostigado cedo há 95% de chances de cura

Dilma veste terninho no discurso após ser eleita presidente do Brasil
Dilma veste terninho no discurso após ser eleita presidente do Brasil Foto: AP

No Brasil, apenas 10% dos casos de câncer de mama são diagnosticados em estágio inicial, quando há 95% de chances de cura. Mas um estudo realizado em Porto Alegre, mostrou que é possível identificar mais casos da doença nesta fase. O projeto foi feito por meio de parceria público privada entre a Prefeitura e o Hospital Moinhos de Vento, com apoio do Instituto Mama do Rio Grande do Sul (Imama).

Aproximadamente nove mil mulheres acima de 15 anos e provenientes de 19 postos de saúde de Porto Alegre tiveram o acompanhamento da saúde da mama desde o final de 2003 até hoje. Durante o período, o Programa prestou atendimento completo focado na prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação de doenças da mama com máxima eficiência.

Neste período, 55% das ocorrências da doença foram diagnosticados em estágio inicial.

? O câncer de mama é um grande problema de saúde pública, pelo impacto em morbidade e mortalidade, e também pelos custos associados à doença ? alerta a mastologista Maira Caleffi, presidente da Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama).

Este tipo de câncer mata no Brasil mais de 30 mulheres por dia, daí a importância do diagnótico precoce. De acordo com dados oficiais do Instituto Nacional do Câncer ? Inca ? os estágios do tumor variam de I a IV, sendo o primeiro o inicial ? quando a chance de cura é de 95% ? e o último, onde a doença já está fora da mama, com alto índice de morte em cinco anos.

O gasto com cada brasileiro na área da saúde foi de US$ 252 por pessoa em 2007, segundo dados divulgados pelo INCA. Zolmarina Ribeiro Freire foi uma das paciente do estudo que conseguiu vencer a doença. Diagnosticada em 2005 com tumor na mama direita, em duas semanas já estava tratada.

? Se eu não tivesse aceitado a realizar o exame, dificilmente eu estaria viva hoje e, se ainda estivesse, provavelmente teria a minha mama retirada. Por isso eu não entendo o motivo de muitas mulheres não fazerem os exames regularmente ? afirma Zolmarina.

A paciente continua frequentando o Núcleo Mama Porto Alegre a cada seis meses para acompanhamento e desde então não foi detectado mais nenhum tumor.

? Quando soube que estava com câncer de mama, fiquei bastante nervosa, mas ‘coloquei na cabeça’ que iria sarar. Durante o tratamento não tive nenhum efeito colateral, nenhum incômodo aconteceu comigo. Tem que acreditar que irá dar certo ? completa.

Leia mais
Comente

Hot no Donna