Roberto Shinyashiki afirma que a felicidade está em viver bem as pequenas coisas

Confira entrevista com o escritor best-seller no Brasil

Novo livro do autor, Vivendo e Aprendendo, promete entrar para a lista dos mais vendidos
Novo livro do autor, Vivendo e Aprendendo, promete entrar para a lista dos mais vendidos Foto: Fabianio Accorsi, Divulgação

Você está preocupado com os rumos da vida, da carreira, do relacionamento? Pois neste momento há milhares de pessoas em busca de respostas para essas angústias. É possível que boa parte delas esteja com um livro do psiquiatra, psicoterapeuta, especialista em análise transacional e terapias corporais Roberto Shinyashiki nas mãos. Vivendo e aprendendo (Editora Gente) é mais um candidato às listas dos mais vendidos.
No novo livro, o guru da autoajuda lembra passagens com seus pais e compila trechos de sua história que poderiam ter sido vividos por todas as pessoas que assumiram a sensibilidade como filosofia de vida. Shinyashiki declara-se apaixonado pelo ser humano e fala sobre como atingir o sucesso.

O que é sucesso

“O verdadeiro sucesso é ser feliz. Quando a nossa luta é para realizar as metas da alma, então estamos a caminho do sucesso. Aliás, lutar pelo sucesso só é saudável quando se constrói a felicidade. O mais importante de tudo é poder ter a sensação de que viver vale a pena. Viver a plenitude da experiência de brincar com uma criança ou saborear uma fruta. Apreciar o contato dos pés descalços com um gramado ou com a areia da praia. Perceber o vento batendo no rosto ou a água da chuva escorrendo pelos cabelos. Sentir a alegria de um pescador voltando para casa com o alimento para sua família. Sucesso não é só o trabalho pelo trabalho. O verdadeiro sucesso é satisfazer sua ânsia de felicidade, cumprir sua vocação de ser feliz. E isso você só consegue quando se relaciona com sinceridade com as pessoas que ama, quando é amigo de seus filhos e, principalmente, quando consegue ser amigo de si próprio.”

Carreira

“Tanto no campo pessoal quanto no profissional, a felicidade nos relacionamentos fica muito mais completa quando cuidamos de exercer certas virtudes. E isso também abre caminho para o sucesso verdadeiro, tanto pessoal quanto profissional. Então, eu diria que antes de pensar em organizar a sua carreira, é preciso pensar em que bases você vai construí-la. E a melhor base é aquela que se apoia em algumas virtudes. Quais são essas virtudes? Veja: a lealdade, sempre acompanhada de dedicação, persistência e perseverança; a responsabilidade, apoiada na disposição para trabalhar e na disciplina; a iniciativa, construída com entusiasmo, objetividade, curiosidade e interesse; a coragem, embasada na fé, na confiança no outro e na autoconfiança; a humildade, fruto do respeito pelo outro e da consciência de que não somos os donos da verdade. Quando cultivamos essas virtudes, estamos no caminho de nos tornarmos não apenas profissionais mais completos, mas também pessoas melhores. Como cultivá-las? É simples: tomando consciência delas e as praticando todos os dias.”

Perfeição e aparência

“O mundo tem uma tendência a nos cobrar pelo que temos ou pelo que aparentamos ter. Essa é uma realidade que acaba fazendo com que as pessoas se preocupem mais com sua aparência do que com sua essência. Algumas pessoas são mais sensíveis a essas cobranças e outras são menos sensíveis. Esse é um fator que depende de cada um, de como estão seus valores, sua autoestima, quais são suas metas, quais são os seus sonhos. Quando seus sonhos e metas se focam mais no ‘ter’ do que no ‘ser’, você fica mais entregue às cobranças do mundo. Deixar de viver em função das aparências é o mesmo que dizer que precisamos viver a nossa essência. E viver a nossa essência só é possível quando lembramos que ser feliz é o mais compensador de todos os sucessos.”

Comportamentos
para jogar fora

“É muito comum que as pessoas optem por atitudes que as impedem de ser felizes. O primeiro passo é mudar esse comportamento. Entre as atitudes que devemos abandonar para nos livrarmos da tirania das aparências, eu cito três em especial. A primeira é viver para impressionar os outros, para ser admirada por uma multidão de olhos vorazes, que, muito provavelmente, não se cruzarão mais. Quando as pessoas param para perceber o rumo dado às suas vidas, veem que apenas colecionaram falsos troféus, que não servem para nada. A segunda é desperdiçar a vida, não perceber o que realmente é importante, o que leva a perder amores, empregos, amigos e a sacrificar a vida para conseguir status e poder. E a terceira é colecionar quinquilharias. É um desperdício colecionar cursos inacabados, amores frustrados, projetos engavetados, centenas de livros não lidos, relações sem afeto, sapatos não usados, casas de praia abandonadas. Há quem sinta mais orgulho em mostrar sua coleção de vinhos do que em saboreá-los… Ter por ter, sem viver o prazer do momento traz infelicidade. E insucesso.”

Biografia

“Minha história, como a de todo mundo, foi feita de desafios, derrotas e vitórias. Mas, em todos os casos, de muito aprendizado. Comecei tocando em uma banda, na adolescência, até descobrir que adorava medicina. E fui ser médico. Depois, como médico, descobri que tinha paixão pelas pessoas, e me tornei psiquiatra, depois psicoterapeuta. Como minha visão sobre as pessoas ainda era limitada e limitava o quanto eu podia ajudá-las, fui estudar com os grandes mestres do Oriente e do Ocidente e me especializei em lidar com gente. Estudei tudo o que pude sobre o comportamento das pessoas nas empresas, fui estudar administração, fiz MBA, atuei e atuo em empresas, pratiquei e vivi tudo o que aprendi, tudo isso procurando ajudar as pessoas de modo que pudessem ser mais felizes.”

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna