Ser mãe é questão de opção

Saiba qual o método contraceptivo que mais se ajusta as suas necessidades

O Dispositivo Intrauterino (DIU) é uma das formas de evitar a gravidez
O Dispositivo Intrauterino (DIU) é uma das formas de evitar a gravidez Foto: Ver Descrição

Desde que foi criada, há décadas, a pílula anticoncepcional revolucionou a vida das mulheres, dando a elas independência e liberdade para escolher quando ser mãe. Depois dela, a ciência já avançou muito quando o assunto são métodos contraceptivos: hormônios injetáveis, implantes, DIU, adesivos tópicos, laqueadura, mas a pílula continua entre os métodos mais utilizados pelas mulheres.

Tantas opções podem deixar as mulheres confusas na hora de identificar a forma mais adequada de evitar gravidez. Nestes casos, consultar um especialista é fundamental. Só ele poderá analisar como é a rotina da mulher, saber do seu histórico de saúde e avaliar qual o método mais indicado para que ela possa fazer seu planejamento familiar.
De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), metade das gestantes não planejou e não quer a gestação, sendo que uma a cada nove mulheres opta pelo aborto. No Brasil, as estatísticas apontam que o índice de abortamento é de 31%. Isto significa cerca de 1,44 milhão de abortos espontâneos ou provocados com taxa de 3,7 para cada 100 mulheres.

Conheça um pouco mais sobre algumas formas de contracepção e lembre-se, na dúvida, consulte seu ginecologista.

Métodos de barreira

Preservativo masculino e feminino (camisinha)
– Impede a ascensão dos espermatozoides ao útero

Diafragma
– Anel flexível que impede a entrada dos espermatozoides no útero

Esponjas e espermicidas
– Substâncias químicas cuja função é imobilizar e destruir os espermatozoides

Dispositivo Intrauterino (DIU)
– Pode ser de progesterona ou cobre
– São inseridos na cavidade uterina para impedir a passagem do espermatozoide

Métodos hormonais

Pílula monofásica
– Impede a ovulação pela ingestão associada dos hormônios estrogênio e progesterona. As pílulas monofásicas têm a mesma dosagem em todos os comprimidos da cartela

Pílula multifásica
– Impede a ovulação. Difere da monofásica porque as dosagens de estrogênio e progesterona variam

Minipílulas
– Impede a ovulação com dosagem mais baixa e contém apenas um hormônio (progesterona). Geralmente utilizadas por mulheres no período de amamentação

Pílula do dia seguinte
– Anticoncepção de emergência, pela ingestão de uma alta dosagem de progesterona, impedindo assim a fertilização. Uso restrito a situações de emergência

Injetáveis
– Contém progesterona e/ou estrogênio. Aplicação intra-muscular, com injeções mensais ou trimestrais

Implante Hormonal
– Microbastão de hormônio sintético, similar à progesterona, implantado no antebraço para impedir a ovulação. Tem duração de três anos

Anel Vaginal
– Anel hormonal flexível, colocado na vagina no 1º dia da menstruação. Impede a ovulação e tem duração de três semanas

Adesivo Cutâneo
– Colado na pele, libera o hormônio gradativamente, impedindo a ovulação. Duração de uma semana, devendo ser trocado a seguir.

Métodos cirúrgicos

Laqueadura tubária
– Método contraceptivo cirúrgico e definitivo, que na mulher consiste na ligadura ou corte das trompas

Leia mais
Comente

Hot no Donna