Tratamentos estéticos: os cuidados que você precisa tomar antes de aderir ao laser

Uma recomendação importante é ter o acompanhamento de um especialista

Cada ponteira do laser tem uma indicação diferente
Cada ponteira do laser tem uma indicação diferente Foto: Tatiana Cavagnolli

Quando, há alguns anos, dermatologistas anunciaram a depilação a laser, mulheres e homens finalmente vislumbraram uma esperança de acabar com a mais famosa sessão de tortura moderna. O laser também revolucionou tratamentos de manchas, varizes, rejuvenescimento facial, de pescoço e até das mãos, tornando procedimentos mais eficazes e reduzindo o tempo de recuperação. Em contrapartida, o mau uso provoca graves consequências.

Levantamento da Sociedade Brasileira de Laser (SBL) revelou que manchas, cicatrizes e queimaduras são os problemas mais comuns relatados por pacientes insatisfeitos com os resultados obtidos depois de sessões a laser. Os relatos vieram a partir de e-mails, queixas em consultórios e na Justiça. As contas da SBL assustam: na última década, as reclamações relacionadas a tratamentos com o uso dessa tecnologia aumentaram 200% quando comparadas aos 10 anos anteriores. Em primeiro lugar, estão as queixas ligadas a procedimentos dermatológicos, seguidas pelos vasculares, como cirurgias de varizes.

Segundo o cirurgião plástico Cláudio Roncatti, diretor executivo da Sociedade Brasileira de Laser, embora seguro, o laser não é inofensivo.

? As pessoas acham que é só uma “luzinha” e, se é só uma “luzinha”, não tem problema. Há até lojas que vendem aparelhos de alta potência por R$ 400 ? alerta.

Uma recomendação importante é ter o acompanhamento de um especialista na técnica e no problema.

? O laser tem que ser feito por um médico. Alguém que entenda do coeficiente de absorção dos tecidos, de pigmentos, de profundidade da pele, até mesmo para dizer o que é tratável com o laser e o que não é ? orienta Roncatti. ? Existem manchas que, a olho nu, são idênticas. No entanto, uma se trata com uma única sessão de laser e a outra pode exigir pelo menos 12 sessões. Só um médico vai saber diferenciar e explicar o procedimento correto.

Segundo Alexandre Filippo, coordenador do departamento de laser da Sociedade Brasileira de Dermatologia, um ponto que contribuiu para o aumento no número de reclamações de pacientes tratados com laser foi a entrada de empresários no ramo, o que culminou na multiplicação de clínicas de estéticas que oferecem tratamentos a baixo custo e parcelados.

? É preciso ficar atento a essas clínicas. Na maioria delas, o responsável é um enfermeiro, um técnico ou um médico recém-formado ? diz.

As clínicas também deixam a desejar na manutenção.

? Um aparelho desregulado pode causar queimaduras ou mesmo não dar nenhum resultado. Hoje em dia, barateou-se muito o tratamento com laser. Não dá para ter os melhores resultados com o mínimo do preço ? completa o dermatologista Erasmo Tokarski, especialista em laser.

Outro fator a ser considerado é que cada ponteira do laser, a parte da máquina que emite a luz, tem uma indicação. Depilação, remoção de tatuagens e rejuvenescimento exigem ponteiras diferentes.

Desconfie, portanto, de quem diz ter um aparelho “que faz tudo”. Além disso, cada paciente exige regulagem própria.

? A pele oriental tem uma cicatrização diferente da branca e, para a pele negra, só existem dois tipos de laser indicados para depilação. Sem saber disso, é mais fácil queimar ou manchar uma pessoa ? diz a dermatologista Isabel Martinez, da Academia Americana de Laser.

Leia mais
Comente

Hot no Donna