Um toque de carinho

Conheã a massagem infantil desenvolvida a partir da Shantala

Foto: Miro de Souza

Mais do que entendem, os bebês sentem tudo mesmo na barriga da mãe. Identificam como é a mão que toca a barriga, se ela traz amor e se ela quer cuidar. Mas o tato e a massagem em si estimulam a produção de hormônios benéficos tanto naquele que recebe como naquele que faz a massagem. Na mãe, o reflexo aparece na produção de leite e no aumento da sensação de autoconfiança, dos sentimentos de proteção e do desejo de cuidar, pois ele regula as funções do hipotálamo e da ocitocina, o hormônio do amor.

– Não é por menos que o toque, a estimulação táctil, é de suma importância para o desenvolvimento da criança. Ela é a “linguagem” que o bebê entende primeiro. É vital para a formação do vínculo entre os pais e o bebê e vai influenciar os vínculos posteriores na vida – considera Charlotte.

Diferentes técnicas

Existem diversas técnicas de massagem, muitas delas desenvolvidas da shantala, mas uma complementa a outra. A massagem infantil que as educadoras de Campo Bom aprenderam vai um pouco além dos movimentos oferecidos pela shantala. Ela adiciona métodos suecos que ajudam a trazer a circulação de volta das extremidades em direção ao coração, conhecida como massagem infantil.

– São várias formas que existem, mas todas com o mesmo objetivo. O cerne do benefício é o vínculo e a comunicação entre os pais e a criança. O intuito é de aprender a tocar a criança de uma forma positiva – diz a instrutora, que cita um médico obstetra francês entre os seus mestres.

Um dos grandes estudiosos da Shantala, Frédérick Leboyer, ensina:

– Ser levados, embalados, acariciados, pegos, massageados constitui para os bebês, alimentos tão indispensáveis, senão mais, do que vitaminas, sais minerais e proteínas.

Passo a passo
A massagem infantil foi desenvolvida a partir da Shantala. Muitos movimentos são iguais, porém numa outra ordem, e com outros movimentos complementares.

PERNAS E PÉS

– Com as duas mãos envoltas na coxa do bebê, executa-se um movimento de rosca ao redor da perninha, deslocando suas mãos em movimentos contrários, da virilha para o pé do bebê, ficando mais tempo no tornozelo.

– Deslize os polegares sobre a sola do pé, exercendo leve pressão, do calcanhar até o dedão. Em seguida, gire cada dedo do pé. Massagear o calcanhar com o dedo indicador. Pressione a sola do pé com seus polegares. Depois, deslize seus polegares do dorso do pé do bebê em direção ao tornozelo. Faça pequenos círculos ao redor do tornozelo.

BARRIGA

– Espalme as mãos, como se estivesse cavando areia em sua direção, uma após a outra, do diafragma em direção a virilha (como um ‘roda-moinho’). Após, segure as pernas do bebê com uma mão, mantendo as pernas verticalmente esticadas e, com seu antebraço e/ou mão, repita os movimentos sobre a barriga do bebê na mesma direção.

– Em seguida, sublinhe as costelas com seus polegares.

– Depois, siga o sol/lua: faça círculos no sentido horário ao redor do umbigo do bebê, alternando as mãos.

– ? Eu-te-amo: com dois dedos, logo abaixo das costelas do bebê do lado esquerdo, desça em direção a virilha, eliminando gases do intestino grosso descendente. Vá para o lado oposto com a mesma mão e, com os dedos abaixo das costelas do lado direito do bebê, massageie até o lado esquerdo e novamente até a virilha esquerda.

PEITO

– Livro aberto: mãos relaxadas, aquecidas, untadas novamente com óleo e unidas. Coloque-as no peito e separe-as deslizando do centro do peito da criança para ombros e lados, como se estivesse abrindo as páginas de um livro, e volte ao ponto de partida.

– Borboleta: em seguida, com as mãos de cada lado das costelas do bebê, deslize uma mão, subindo até o ombro oposto. Deslize seu dedo mínimo pelo pescoço da criança e volte de onde iniciou, sem tirar a mão do peito da criança. Em seguida, faça o mesmo com a outra mão, sem nunca perder contato com a pele da criança, mantendo um ritmo lento.

BRAÇOS E MÃOS

– Gire o braço em movimentos contrários, abrindo a mãozinha e rolando cada dedo

– Massageie o dorso da mão, fazendo pequenos círculos em volta do punho e rolando o bracinho

ROSTO

– Livro aberto: Com a ponta dos dedos no centro da testa, contorne os olhos, contorne as bochechas. Em seguida, suba seus polegares, de leve, para a base do nariz (no centro da testa) e torne a descer. Passe os polegares muito levemente sobre os olhos e siga as linhas externas do nariz, dirigindo-se para as comissuras da boca e por baixo das bochechas. Faça pequenos círculos ao redor do maxilar, nas bochechas. Delinhe com a borda do minguinho da mão da mãe atrás das orelhas e volte por baixo do queixo.

COSTAS

– Coloque o bebê de bruços sobre suas coxas, com a cabeça para o seu lado esquerdo. Faça um movimento de vai e vem, com as duas mãos, iniciando na nuca, deslizando até as nádegas. Segue fazendo pequenos círculos sobre todas as costas e termine penteando as costas com seus dedos da nuca em direção aos pés.

FIM

– Termine com alguns exercícios de cruzar os braços, fazendo movimento de pedaladas de bicicleta com as pernas do bebê. É uma forma de brincar com sua criança e alongar os meridianos, completando a massagem. Agradeça o momento especial com seu bebê e termine com um bom banho.

Perguntas e respostas

Quando fazer a massagem?

Qualquer hora do dia em que a criança estiver em estado de vigília – quieta, olhando seus arredores. Antes ou depois do soninho, durante o banho ou de noite à luz de velas. Se a criança não receber bem a massagem num certo horário do dia, procure mudar o horário. Deve-se, porém, esperar 30 minutos após uma mamada completa.

Onde fazer?

Sempre que possível, a massagem deve ser feita num lugar quieto e quentinho. No verão, pode ser feito no sol e, no inverno, numa sala aquecida. O melhor lugar para o bebê receber uma massagem é no seu colo, no chão. Pode ser feito com vocês no chão, em cima de uma coberta ou colchonete, ou na cama, com suas pernas cruzadas ou estendidas, ou com o bebê entre suas pernas.

Quais acessórios utilizar?

Usar óleos naturais, sem conservantes, sem perfume e produtos químicos. De preferência prensados a frio, não refinados e que nutram a pele. Sugestão: óleo de amêndoas doces, óleo de semente de uva ou óleo de girassol. Não usar óleo de bebê ou óleo mineral, que são a base de petróleo, pois fecham os poros da pele, e, se a criança colocar a mão ou o pé na boca pode acabar ingerindo um pouco do óleo.

Benefícios da massagem
Estimula a produção de hormônios, melhorando a digestão e a absorção do alimento ingerido pelo bebê.
– Melhora a circulação, regula a respiração e ativa as funções gastro-intestinais melhorando a digestão, e auxiliando na eliminação de fezes e gases.
– Alivia cólicas, congestão e dor.
– Melhora o ganho do peso em bebês abaixo do peso e prematuros.
– Estimula o sistema cerebral e seu funcionamento, facilitando a percepção corporal, ativando todos os sentidos corporais (tato, audição, visão, olfato, gustação) mais equilibradamente.
– Estimula os sistemas do corpo: digestivo, circulatório, imunológico, nervoso, linfático, límbico, hormonal, esquelético e muscular, e tegumentar.
– Auxilia no desenvolvimento da inteligência, deixando a criança mais comunicativa e criativa. Promove o desenvolvimento de uma comunicação não verbal.
– Promove relaxamento do bebê e de quem o massageia.
– A criança dorme melhor.
– A criança aprende desde cedo como lidar com estress, diminuindo tensões acumuladas.
– Auxilia no alívio da dor.

Fonte: Charlotte Wangen, enfermeira obstetra, massoterapeuta e instrutora de massagem infantil, formada pela International Association of Infant Massage (EUA)

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna