Uso de antidepressivos pode atrasar produção de leite materno

Amamentação é prejudicada quando a mãe toma o medicamento

Estudo acompanhou 2.900 mulheres
Estudo acompanhou 2.900 mulheres Foto: Divulgação, SXC

Mulheres que tomam uma das classes mais vendidas de antidepressivos podem apresentar atraso na produção de leite materno depois do parto e precisar de suporte adicional para atingir as suas metas de aleitamento. É o que diz estudo aceito para publicação na revista The Endocrine Society’s Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism (JCEM).

A amamentação beneficia os bebês e as mães em diversos aspectos. Como o leite materno é de fácil digestão e contém anticorpos que protegem contra infecções bacterianas e virais, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que as crianças sejam amamentadas exclusivamente pelo menos nos seis primeiros meses de vida. E os autores da pesquisa alertam que o consumo de alguns medicamentos antidepressivos pode estar ligado a uma dificuldade conhecida como “atraso da ativação secretora”.

– A capacidade de os seios secretarem o leite na hora certa está intimamente relacionada com a produção e regulação do hormônio serotonina – diz Nelson Horseman, da Universidade de Cincinnati e principal autor do estudo. – Drogas comuns como fluoxetina, sertralina e paroxetina, chamados de inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) podem afetar o humor, a emoção e o sono; e elas também podem ter impacto na regulação da serotonina na amamentação. Isto aumenta o risco de atraso na lactação, na oferta de leite integral.

No estudo, os cientistas examinaram os efeitos das drogas ISRS na lactação a partir de estudos de laboratório de linhagens de células humanas, de animais e ratos geneticamente modificados. Além disso, uma análise de observação avaliou o impacto das drogas ISRS sobre o início da produção de leite em depois do parto. Os autores acompanharam 431 mulheres e o início médio da lactação pós-parto foi de 85,8 no grupo que tomava antidepressivos e 69,1 horas nas mães não tratadas com as drogas. Os pesquisadores geralmente definem o atraso na ativação secretora quando ele ocorre mais de 72 horas depois do parto.

– Essas drogas são úteis para muitas mães. Precisamos de mais pesquisas com humanos antes de fazer recomendações específicas sobre o uso de antidepressivos ISRS durante a amamentação – diz Horseman.

Leia mais
Comente

Hot no Donna