Açúcar: o veneno nosso de cada dia

Não era exatamente isso que a gente queria ler, mas é verdade. Açúcar faz mal à saúde, engorda e pode causar dependência química. Consumi-lo gera uma sensação imediata de intenso prazer e por isso é tão difícil ficar sem ele. Mas não tem jeito. Infelizmente, o açúcar refinado é mesmo um dos maiores vilões da história. Mas não se desespere. Com (muita) moderação, dá para desfrutá-lo, de vez em quando.
Por que é tão bom comer doce? Primeiro, por que o sabor é mesmo uma delícia. Mas não é só isso. O açúcar responsável pela doçura dos quitutes vai direto para o cérebro, estimulando a produção do neurotransmissor responsável pela sensação de bem estar, a serotonina. Essa sensação agradável, provocada pelo pico dessa substância no cérebro, é efêmera e logo vai embora. Daí a necessidade de comer mais um doce.

É difícil, mas tem que resistir à tentação!

É difícil, mas tem que resistir à tentação!

Segundo a nutricionista funcional Andrezza Botelho, o açúcar refinado contém apenas calorias vazias, ou seja, não tem quantidade significativa de nutrientes. Ao ser ingerido, o açúcar provoca um pico na produção de insulina, hormônio responsável por quebrar a molécula de glicose e não deixar que uma grande quantidade de açúcar chegue à corrente sanguínea. O consumo constante e exagerado provoca a fadiga do pâncreas, que, com o tempo, passa a produzir o hormônio de forma deficiente. Daí vem o diabetes. A nutricionista explica ainda que o açúcar pode “roubar” nutrientes de outros alimentos no estômago, por alterar o meio digestivo. Além disso, o açúcar é alimento de fungos e de bactérias nocivas ao nosso organismo. Quando elas são mais numerosas do que as bactérias boas na flora intestinal, a absorção de nutrientes fica prejudicada.

:: Sete dicas de como emagrecer sem dieta
:: Dieta sem glúten emagrece?
Além de tudo isso, um dos malefícios mais visíveis do açúcar é a obesidade, que fica muito mais difícil de controlar quando o sujeito é fã de doces. Por prejudicar a absorção de outros nutrientes, o consumidor inveterado de açúcar também pode sofrer com osteoporose, devido a perda de cálcio e magnésio. Para piorar ainda mais a situação, a síntese metabólica do açúcar refinado provoca a liberação acentuada de radicais livres. Em outras palavras, provoca envelhecimento precoce.

As frutas também contém açúcar, mas este só faz bem.

As frutas também contém açúcar, mas este só faz bem.

Segundo Andrezza, fazer trocas inteligentes é o primeiro passo para ter uma relação mais saudável com o açúcar. Substituir o produto refinado por opções como o açúcar mascavo, açúcar de coco e até o demerara já ajuda bastante. Mesmo assim, o consumo tem que ser moderado. Então, somente trocar de açúcar não resolve o problema.
O ideal, então, é não ingerir açúcar. Afinal, alimentos como frutas, massas e cereais se transformam justamente nele durante o metabolismo. Mas nem tudo precisa ser tão radical. Não existe uma quantidade recomendável de açúcar para o consumo diário, mas não é necessário riscá-lo completamente, a não ser que você tenha problemas de saúde. Mas manere! Mais do que dois brigadeiros pequenos ou uma fatia (pequena!) de pudim já é exagero.

Leia mais
Comente

Hot no Donna