Conheça seis mitos e verdades sobre a pílula do dia seguinte

(Foto: Carlinhos Rodrigues, BD)
(Foto: Carlinhos Rodrigues, BD)

Quando você esquece de tomaranticoncepcional ou a camisinha estoura ou é esquecida, é comum recorrer à pílula do do dia seguinte para evitar a gravidez indesejada. Entre algumas afirmações corretas, o uso da anticoncepção de emergência também é cercado de dúvidas e de mitos que se popularizaram sem ter um fundo de verdade, como o de que o medicamento deixa de fazer efeito se usado muitas vezes em um curto espaço de tempo.

O ginecologista e obstetra Gustavo de Paula Pereira, de São Paulo, comenta o que é verdade e o que é mentira entre as sentenças comuns normalmente atribuídas à pílula. Tire suas dúvidas e não esqueça que a camisinha, além de contraceptivo, previne doenças sexualmente transmissíveis.

Se tomar a pílula muitas vezes em um curto período de tempo, o medicamento não faz mais efeito.
Mito. Entretanto, ela não deve ser usada como método anticoncepcional de rotina, apenas em situações emergenciais, pois pode causar efeitos colaterais, como irregularidade menstrual, náuseas, dores abdominais e cefaleia.

A pílula pode atrasar a menstruação.
Verdade. A menstruação pode ocorrer até 10 dias antes ou depois da data esperada, após o uso da contracepção de emergência. Porém, geralmente ocorre em até três dias da data esperada; caso não ocorra a menstruação nesse período, deve-se realizar um teste de gravidez.

Quanto mais tarde tomar a pílula, mais chances tenho de engravidar.
Verdade. A anticoncepção de emergência deve ser usada o mais cedo possível após uma relação sexual desprotegida. Sua eficácia vai diminuindo progressivamente à medida que o tempo passa. E, após 72 horas da relação sexual, seu efeito já deixa de ser satisfatório.

A pílula do dia seguinte é abortiva.
Mito. Os estudos mostram que a medicação age antes da ocorrência da gravidez, logo não aborta.

— Se a fecundação ainda não aconteceu, o medicamento vai dificultar o encontro do espermatozóide com o óvulo. Se ocorrer gestação, sua tomada não causará danos para o embrião — finaliza o doutor Gustavo.

O uso de antibióticos corta o efeito da pílula do dia seguinte.
Em parte. Alguns medicamentos, tais como alguns antibióticos, podem reduzir a eficácia dos anticoncepcionais, logo a pílula do dia seguinte também pode ser afetada pelo uso de outras medicações.

Devo parar com o anticoncepcional se tomar a pílula do dia seguinte.
Mito. Se a mulher já faz uso regular do anticoncepcional e tomou a pílula do dia seguinte, deve continuar a cartela em uso e contatar o seu médico para que ele avalie a necessidade de interrupção ou não do anticoncepcional.

Leia mais:
:: Saiba quais as reclamações mais comuns das mulheres sobre o parceiro durante o sexo
:: Dor durante o sexo: saiba o que causa o desconforto e quais as formas de tratá-lo

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna