Crianças também podem ir à balada

Opções fazem os baixinhos se esbaldarem

Projeto Dance Kids
Projeto Dance Kids Foto: Andréa Graiz

É comum as mães deixarem a vida social de lado por um bom tempo para dar atenção aos filhos. Em Porto Alegre, eventos surgiram para tirá-las de casa com os pequenos (e os nem tão pequenos) a tiracolo.

Sair para dançar com a família toda, incluindo os pitocos, é um hábito que nasceu lá fora há um tempinho. Desde 2005, americanos que adoram uma muvuca com seus kids já lotam a Baby Loves Disco, evento comandado pela dançarina (e mãe) Heater Murphy e o empresário Andy Hurwitz. A pequena festa promovida em uma boate na Filadélfia com muita música anos 80 e um lounge para a criançada desenhar, brincar e papar evoluiu para dezenas de Estados americanos e até para a Grã-Bretanha.

Em agosto, a jornalista Claudia Assef e a empresária Tathiana Mancini adaptaram a iniciativa para o próprio gosto em São Paulo. A Disco Baby virou um sucesso por lá: o famoso DJ Marky já esteve no comando das picapes adaptando hits para crianças de zero a 10 anos. Depois disso, a moda não tardou a chegar a Porto Alegre. No fim de outubro, a publicitária Mauren Motta abriu as portas do seu multifuncional escritório e recebeu 200 pessoas na 1ª Dance Kids.

Eu, que já estava até ensaiando uma ida a São Paulo com uma amiga conhecer a Disco Baby com nossos respectivos pitocos, vibrei. Coloquei minha filha Pietra, 1 ano e oito meses, “embaixo do braço” ? como digo de brincadeira ? e nos tocamos para a segunda festa da semana (três dias antes, havíamos ido na Barulhinho do Bem, e devido ao horário mais tardio, Pietra não aguentou nem meia hora em pé). Já a Dance Kids começou às 15h, e fomos as primeiras a chegar.

Na entrada, uma professora da escola de ballet Lenita Ruschel tirou a minha baixinha para dançar. A pequena ficou hipnotizada com o telão que passava animações como Smurfs e com os desenhos de luz que spots coloridos projetavam no chão. Depois de se ambientar, foi instalada no recanto fashion da festa: cabeleireiros da Sexton fizeram chuquinhas e, se mamãe tivesse deixado, maquiagem. Uma arara cheia de perucas, plumas e paetês atraía as atenções das crianças, que logo se fantasiaram para curtir a pista.

Devidamente escovada e paramentada, Pietra adorou o set list da DJ Adriana Banana. Dançou Billie Jean, hit de Michael Jackson, com a mesma empolgação das Galinhas Pintadinhas e Patatis Patatás que adora. Só cansou mesmo quando a festa lotou.

Sucos e petiscos da Empório da Papinha serviram para repor as forças (e esta mãe pateta ficou à toa carregando uma mochila cheia de comida e bebida durante a festa toda). Outro peso extra da minha bolsa: fraldas, lenços e pomada. Tinha tudo no fraldário Baby Clube. Poderia ter dado esse descanso aos meus ombros.

Depois de bailar, Pietra curtiu o cantinho da Lezanfan com atividades para várias faixas etárias, como confecção de máscaras com canetinhas, purpurinas e lantejoulas. No meio da festa, que durou quatro horas, o DJ Fredi Chernobyl substituiu Adriana Banana e tocou mais músicas para pais e filhos. As famílias saíram de lá pingando de suor, mas com sorrisões no rosto – e muitas até com brindes nas mãos. A 2ª Dance Kids será no dia 15 de dezembro, no Opinião. Para quem se interessar por mais detalhes, basta acessar facebook.com/dancekidsmm

Recomendações de mãe para mãe

? Verifique se o horário da festa é adequado para o biorritmo do seu filho. Se o evento começa após o almoço e o pitoco adora uma sesteada, convém deixá-lo descansar e ir curtir somente a última metade da festa.

? Crianças muito pequenas não duram a festa inteira acordadas. Considere levar um carrinho para que o bebê possa descansar. E sim, eles dormem mesmo com barulhão, vocês sabem.

? Informe-se antes de ir ao evento se haverá fraldário e comidinhas durante a festa, para evitar ter de carregar peso à toa. A não ser que você vá acompanhada de uma amiga para revezar o carregamento da mochila com a criança no colo.

? Cuide o figurino da patota. A criançada pode estar arrumadinha, é claro, mas evite roupas que limitem os movimentos e/ou peças que você não quer que sujem. É inevitável que eles saiam de lá bagunçados.

? O mesmo vale para a roupa do pai ou da mãe que acompanham as crianças. Convém deixar o salto alto em casa.

? Parece óbvio, mas não é. Se você é mãe de criança pequena, não as deixem sozinha no meio dos “grandes”. Em determinado evento que fui quando Pietra tinha apenas 1 ano, ela levou um empurrão de um menino maior, mesmo sob minha supervisão. E, se você é mãe de criança maior, oriente a cuidar os menores, sem afobação. Há brincadeiras para todos.

? Achou o som alto demais ou a luz baixa de menos? Vale tentar falar com jeitinho aos organizadores.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna