Descobertas recentes mostram a eficiência de frutos não amadurecidos na produção de suplementos

Aprenda a preparar a biomassa de banana verde, que é pouco calórica e ajuda na proteção da mucosa gástrica

Foto: reprodução

Morder uma fruta madura proporciona uma sensação única, suculenta, doce. Mas não são somente as maduras que fazem bem. Estudos revelam que algumas podem dar origem a suplementos alimentares poderosos, se processadas verdes. É o caso da banana. Cozida e triturada, ela dá origem à biomassa de banana verde, que apresenta alto teor de amido, pouco açúcar e muito amido resistente – que atua no organismo de maneira similar às fibras.

Quem também está ganhando destaque pelas suas qualidades na fase verde é o café, que tem duas vezes mais cafeína do que na versão madura e torrada, que bebemos todos os dias. Também é rico nas substâncias antioxidantes que tanto fazem bem ao organismo. Em termos de sabor, pode até ser que uma fruta suculenta e bem madurinha seja imbatível. Mas em matéria de benefício, arrancá- la do pé antes da hora pode ser um achado.

A biomassa produzida com banana verde é pouco calórica e ajuda na proteção da mucosa gástrica. Outro dado interessante é que a biomassa serve como alimento para as bactérias benéficas ( probióticos) que estão presentes em nosso intestino e nos ajudam a eliminar toxinas e absorver os nutrientes que ingerimos com a alimentação.

Por auxiliar o trânsito intestinal, a biomassa também contribui para eliminar toxinas e pode até ajudar na prevenção de doenças como o câncer de intestino. Como tem baixo índice glicêmico, torna a digestão e a liberação de glicose no sangue mais lentas, o que contribui para prevenir a diabetes e reduzir o acúmulo de gordura corporal.

Além disso, possui uma série de vitaminas, incluindo as do Compexo B, que aumentam a energia e a disposição ao longo do dia. Por contribuir para a redução do colesterol e aumentar a sensação de saciedade por um longo período após as refeições, a biomassa de banana também é indicada como auxiliar nos programas de redução de peso.

Os nutricionistas recomendam o consumo de uma a duas colheres de sopa de biomassa por dia. Cada porção contém apenas 15 calorias e o produto é naturalmente livre de glúten – boa notícia para quem sofre de doença celíaca e é intolerante à proteína.

Mas e o gosto dessa maravilha toda? Segundo os especialistas, não é bom. Nem ruim. De acordo com a culinarista funcional Lidiane Barbosa, por não ter gosto, a biomassa pode ser incorporada a uma infinidade de pratos, substituindo ingredientes como leite condensado, creme de leite, maionese e leite.

Sem gosto e sem cheiro, entra bem em doces e salgados, para qualquer refeição. E também pode ser usada como espessante em mingaus, ensopados, musses. Até em sucos e vitaminas, dizem os nutricionisas, a biomassa se encaixa.

O que vai determinar o sabor serão os condimentos adicionados à receita. Basta usar a criatividade para colocar a banana no estrogonofe, no cozido, na sopa, no bolo ou no que mais o apetite mandar.

Café? Verdinho, por favor

Os adeptos da bebida dizem com propriedade: cafezinho salva, revigora, rejuvenesce. E justamente nos momentos em que mais se precisa dele. Pesquisas recentes, no entanto, têm mostrado que algo pode ser mais poderoso do que o café como o consumimos. A mesma fruta que origina a nossa bebida, só que verde e sem ter passado pelo processo de torragem, apresenta uma série de benefícios para a saúde, em escala muito mais alta do que na versão madura e fumegante na xícara.

Pesquisas da Universidade de Scranton, nos Estados Unidos, provaram que a ingestão diária de cápsulas de café verde ajudaram um grupo de obesos a perder até 10% de seu peso em seis meses. A gordura corporal também foi reduzida em 16% no período.
O estudo foi apenas mais um motivo de entusiasmo para aqueles que já viam o potencial da fruta como suplemento nutricional.

A perda de peso está relacionada a uma substância presente em concentrações até duas vezes maiores no grão de café verde. O milagre é o ácido clorogênico, que diminui a absorção de glicose no intestino, inibindo a enzima glicose- 6- fosfatase, responsável pela liberação de açúcares do fígado na corrente sanguínea.

A cafeína, presente em concentrações mais altas na versão verde, também contribui para acelerar o metabolismo e ajudar na perda de peso. E, melhor de todas as novidades, o café verde é rico em antioxidantes, que ajudam a retardar o processo de envelhecimento das células.

Por ter um gosto amargo e um aroma pouco agradável, o café verde passa longe das xícaras. É consumido mesmo em cápsulas.

Saudável e fácil de fazer

 

A culinarista funcional Lidiane Barbosa ensina a preparar a Biomassa de Banana Verde:
– Tire as bananas uma a uma do cacho, cuidando para que o corte seja bem rente. Mas atenção: nenhuma parte interna deve ficar exposta, para que não sofra contaminação no momento do cozimento

– Lave uma a uma com água e sabão. Não esqueça de enxaguar bem

– Coloque água até a metade de uma panela de pressão e deixe ferver

– Quando estiver fervendo, coloque as bananas. É muito importante a água estar fervendo, pois esse choque térmico faz parte do processo

– Antes de tampar a panela, certifique- se de que a água seja suficiente para deixar as bananas ” cobertas”. Quando começar a ouvir o barulho da pressão, abaixe o fogo, conte oito minutos e desligue. Deixe que a pressão toda saia naturalmente da panela, não acelere o processo e não abra a panela.

– Quando não houver mais vapor, destampe a panela e descasque as bananas. Tenha cuidado, elas estarão quentes. A temperatura alta é importante para facilitar o processo.

– Bata as bananas no liquidificador. Se necessário, acrescente um pouco de água para formar uma pasta. É isso. Sua biomassa está pronta.

Dicas importantes

– A biomassa pode ser guardada por até seis meses no congelador. Congele em pequenas porções e vá descongelando conforme a sua necessidade.

– Na geladeira, o ideal é consumir em até três dias ¦ Qualquer tipo de banana pode ser utilizada para fabricar a biomassa. Desde que esteja verde, é claro.

– As bananas verdes encontradas em supermercados costumam sofrer um processo de aclimatização em uma estufa, para que amadureçam mais rápido e estejam prontas para o consumo. Por isso, é melhor utilizar a banana verde retirada do cacho e que foi direto para sua cozinha. Sendo assim, o melhor lugar para comprar a banana é na feira, de preferência de produtos orgânicos. As feiras ecológicas de Porto Alegre são bons locais para adquiri- las.

As últimas do Donna
Comente

Hot no Donna