Dieta sem glúten emagrece mesmo? Nutricionista esclarece as principais dúvidas

Se você andou espiando algumas capas de revistas sobre boa forma nos últimos meses, certamente deve ter deparado com alguma famosa que “secou” graças à famigerada “dieta sem glúten”. A proteína vegetal, encontrada em grãos como trigo, cevada, aveia, malte e derivados, virou vilã do dia para a noite com base na ideia de que seria responsável por aumentar a gordura abdominal e causar aquela desagradável sensação de inchaço. Será mesmo?

Para jogar uma luz sobre a questão, Donna convidou a nutricionista Alessandra Godoy para responder algumas das principais dúvidas que envolvem o consumo do glúten. Confira:

Glúten faz mal para a saúde?

Depende!

Se você for celíaco ou apresentar qualquer tipo de intolerância ou sensibilidade ao nutriente, sim. Mas, se você não tiver predisposição alguma contrária ao consumo de alimentos com glúten, não há por que tirar a substância da sua dieta.

— Quando um celíaco ingere o glúten em forma de pizza, pão ou biscoito, por exemplo, o organismo não o reconhece como um alimento, e sim como uma agressão — explica a nutricionista.

Acontece que o intestino de quem tem a doença não consegue absorver nutrientes como ferro, ácido fólico, vitaminas B12, A, D, E, K e zinco. Mais: se ingerida pelo celíaco, a substância pode ser o pontapé inicial de outras reações, como dores abdominais, diarreia, inchaço, anemia e fadiga. Autoimune, a doença celíaca afeta uma a cada 133 pessoas nos Estados Unidos, de acordo com um estudo realizado em 2003 no Centro de Pesquisas Celíacas da Universidade de Maryland.

— Há também quem relate algum desconforto ao incluir no cardápio alimentos que contenham glúten, mas que não seja necessariamente um celíaco diagnosticado clinicamente. Nestes casos, é preciso um acompanhamento com o médico para identificar a causa do problema — aconselha Alessandra.

:: Picolé de whey protein: será que a moda pega?
:: 3 mudanças na alimentação que te ajudam a viver melhor

Glúten engorda?

Não!

O que acontece é que a proteína está presente em alimentos que, via de regra, costumam ser bem calóricos, como biscoitos, massas, pães e pizzas – ou seja, tudo o que é feito com trigo. O emagrecimento, quando ocorre, se dá não porque você tirou o glúten da dieta, mas sim porque excluiu os itens citados das refeições – junto com todas as suas muuuitas calorias.

— Até existem autores que defendem essa ideia errônea, mas a ciência nega qualquer relação do glúten com o ganho de peso — afirma a profissional. — O glúten está presente em alimentos que são fontes de carboidratos, fibras e vitaminas, fundamentais para uma alimentação equilibrada. É o carboidrato que nos dá energia para fazer o metabolismo funcionar.

Quer mais uma prova de que a substância, por si só, não é sinônimo de quilos a mais? Pão de queijo, uma das delícias mais desejadas por quem está em dieta, não contém glúten e é uma das opções mais calóricas do cardápio. O mesmo vale para a batata frita, que também é livre da proteína.

0057d83b

Alimentos sem glúten são menos calóricos?

Não!

Não se engane: o rótulo “gluten free” não representa menos açúcar, menos gorduras ou sequer menos quilos na balança. Na maior parte dos casos, estes produtos têm o mesmo número de calorias ou até mais do que os tradicionais.

Um estudo publicado no periódico American Journal of Gastroenterology, em 2006, mostra que 81% dos celíacos que adotaram uma dieta livre da substância ganharam peso. Ou seja: simplesmente trocar os alimentos tradicionais por versões livres de glúten não traz benefício algum para quem não é celíaco ou intolerante.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna