Envelhecimento saudável: a tarefa de manter a independência precisa começar cedo

Especialista diz que é essencial afastar quatro fatores de risco e ter uma boa rede social

Foto: Mateus Bruxel

Como já dizia o filósofo romano Marco Túlio Cícero no século I antes de Cristo, para tentar convencer seus contemporâneos sobre as vantagens de envelhecer, o médico brasileiro Alexandre Kalache, especialista no tema, lembra que a única alternativa a esta opção seria morrer cedo.

Ex-diretor do Programa de Envelhecimento e Saúde da Organização Mundial de Saúde, membro da Academia de Medicina de Nova York e embaixador global da ONG HelpAge International, sediada em Londres, ele roda o mundo abordando as questões relacionadas ao envelhecimento.

Na entrevista a seguir, Kalache fala principalmente de dois aspectos que abordará no encontro: o que é o envelhecimento bem-sucedido, tema da conferência de abertura, e como evitar a discriminação contra o idoso.

Pergunta ? No ano passado, o Banco Mundial (Bird) divulgou um relatório prevendo que o Brasil tem dez anos para se preparar para os efeitos do envelhecimento de sua população, que, nos próximos 40 anos triplicará, chegando a cerca de 65 milhões de pessoas. Como estamos nesta tarefa?
ALEXANDRE KALACHE: Eu diria que o copo está meio cheio, meio vazio. Não andamos na velocidade em que eu gostaria, mas estamos melhor do que há 20 anos. De lá para cá, tivemos conquistas importantes. A primeira foi a Constituição de 1988, colocando a saúde como um direito de todos. Até então, às pessoas mais velhas que adoecessem e não tivessem como pagar por cuidados médicos, só restava a filantropia e os hospitais ou pronto-socorros. Hoje, o SUS, se não é o ideal, está melhorando, no que se refere aos cuidados básicos com saúde. A pensão não contributiva também foi fundamental. Devolveu a autoestima a mais de 9 milhões de brasileiros: até que ela fosse estabelecida, quem não tivesse pagado a Previdência ao longo da vida de trabalho, porque não pôde, não tinha renda alguma aos 60 anos, e dependia da família. Hoje, essas pessoas têm sua própria renda, que é pouca, mas dá para alimentá-las, comprar alguns remédios e, em muitos casos, ajudar suas famílias. Este sentimento de ter alguma proteção e ser participativo na sociedade é essencial para uma boa velhice.

Pergunta ? O que mais é necessário para um envelhecimento bem-sucedido?
KALACHE: Aos 85, você pode não ter o pique e a força que tinha aos 25, mas, se continuar independente e capaz de ajudar nas tarefas domésticas, terá o respeito do restante da sociedade. Além de saúde, você deve continuar a aprender. Caprichar na aquisição de novos conhecimentos lhe ajudará a garantir sua participação na sociedade, não só na vida cultural e social, mas até em termos de empregabilidade. Há uma barreira cultural; muitas vezes as pessoas dizem: “Você é velho, e este curso é só para jovens”, “Não vou lhe dar esse emprego por causa da sua idade”, “Você não precisa fazer mamografia, deve dar a vez a alguém mais nova”. Mas é preciso vencê-la, e estar atualizado ajuda em muitos casos. A quarta coisa é segurança: se você se sente protegido, tem a paz de espírito de que precisa nesta idade. É importante aumentar seu capital social. Seja legal com sua família, cerque-se de amigos, porque, no futuro, você vai precisar desta rede de proteção. Também pode ser pelo lado da economia, investindo, por exemplo, numa previdência complementar.

Pergunta ? Como manter a saúde nesta fase da vida?
KALACHE: Quanto antes você começar a se preparar para envelhecer, melhor. E, se a sua genética não ajuda muito, dizemos que não adianta culpar seus pais por isso: 80% de sua velhice depende de você, e só 20% dos genes que herdou deles. É o seu esforço que vai determinar se sua velhice será boa ou ruim. Há quatro fatores de risco, que, se forem evitados, ajudam a pessoa a ficar livre de doenças crônicas não transmissíveis e muito associadas à velhice: sedentarismo, fumo, álcool e má alimentação. O brasileiro tem dificuldade para comer legumes e verduras; gosta do que eu chamo de dieta branca: farinha, arroz, gordura, sal, açúcar e, por cima de tudo, cachaça. Colorir o prato, acrescentar a ele beterraba, couve, tomate ou feijão, já traz ganhos enormes.

Pergunta ? O senhor já disse que é utópico exigir de uma pessoa que trabalha dez horas por dia e leva mais quatro indo e vindo do trabalho em transporte ruim que faça exercícios físicos. O que essa pessoa pode fazer, apesar de todas essas dificuldades, para envelhecer com qualidade?
KALACHE: Além de escolher melhor os políticos em que vota, para que lhe ofereçam um transporte público de qualidade, o que evitará uma enorme carga de estresse enfrentada diariamente, ela deve procurar relaxar mentalmente, até mesmo dentro da condução lotada. Se se deixar levar pela irritação, se explodir por dentro, vai ter, logo de cara, aumento da pressão arterial. E poderá buscar compensações em algum dos fatores de risco, como comida pouco saudável.

Pergunta ? Atualmente se fala muito em mal de Parkinson e mal de Alzheimer, doenças que se tornaram mais comuns com o aumento da expectativa de vida em todo o mundo. Que outras doenças estão associadas ao avanço da idade?
KALACHE: Alguns tipos de câncer, como, por exemplo, os de mama e os de próstata. Só que até nisso se vê discriminação contra o idoso: como o câncer de próstata mata mais os homens acima de 65 anos, e o de mama pode acontecer bem mais cedo, todo mundo fala mais deste último. Isso se reflete inclusive nas pesquisas que buscam novas terapias: elas são muito mais numerosas para o câncer de mama que para o de próstata. É como se fosse mais grave morrer alguém jovem do que alguém velho.

Pergunta ? E como se rompe esta barreira cultural; como se vence esta discriminação?
KALACHE: Falando muito disso, como estamos fazendo agora. Precisamos falar para o jovem adulto de hoje, que em 2050 fará parte da população idosa. Um dos últimos tabus da atualidade é a violência contra o idoso, da qual ninguém gosta de falar porque é um aspecto muito feio da sociedade moderna. Há pouco tempo, uma novela da Globo (“Mulheres apaixonadas”) mostrou uma neta maldosa (interpretada por Regiane Alves) maltratando os avós. É isso que se tem de fazer, este marketing social, expor em mídias muito vistas aquilo que todo mundo está vendo mas não gosta de discutir. O jovem de hoje tem que respeitar mais os idosos e se cuidar para, quando chegar a essa idade, estar bem e garantir que seja respeitado.

Leia mais
Comente

Hot no Donna