“Um jeito ótimo de aliviar o estresse”: conheça a técnica de ioga que leva gatos para a sala de aula

Por Jennifer A. Kingson,
The New York Times

Eles miam, atacam rabos de cavalo, correm em disparada pela sala a procura de coisas que não podemos ver.

Ainda assim, os gatos são uma presença estranhamente relaxante durante as aulas de ioga.

“O ioga é um exercício de estar no momento”, e os gatos estão no momento “o tempo todo”, afirmou Amy Apgar, uma das duas instrutoras de ioga do Meow Parlour, um abrigo para gatos e café em Lower Manhattan que, assim como muitos outros lugares no país, oferece aulas de ioga com gatos.

As sessões de ioga são para divertir, mas também ajudam a trazer pessoas que queiram adotar um bicho de estimação. (Os gatos que passeiam pela sala costumam estar disponíveis para adoção.)

Outras aulas inspiradas por animais incluem ioga com cães, cabras e coelhos. Porém, a versão com gatos ganhou um grupo pequeno, mas fiel de fãs.

00c61142

Foto: Vincent Tullo, The New York Times

O Meow Parlour, que cobra US$6 pela entrada de meia hora no café e de US$20 a US$22 pelas aulas de ioga, recebe vários pedidos de turistas que querem agendar uma aula durante suas visitas a Nova York.

No abrigo para gatos Good Mews, em Marietta, Geórgia – uma prédio de 510 metros quadrados com cerca de cem gatos – visitantes frequentes são comuns nas aulas de ioga que acontecem uma vez por mês. “Temos espaço para 15 pessoas, e tiramos os brinquedos dos gatos do caminho. Basta colocar os tapetes de ioga que os gatos já se deitam”, afirmou Nancy Riley, a coordenadora de marketing voluntária do abrigo.

Ao menos 40 animais vão entrar e sair da aula de ioga, contou ela, enquanto os outros vão encontrar algum poleiro para ficar observando. “Às vezes um deles escolhe uma pessoa e fica com ela durante a aula toda. E outros são muito sociáveis e querem conhecer todos os alunos”.

Durante a savasana, o postura final da aula de ioga, “normalmente, ao menos metade das pessoas vai ter um gato dormindo sobre sua barriga – é a coisa mais fofa”, afirmou Riley.

00c61143

Foto: Vincent Tullo, The New York Times

Para Megan O’Boyle, assistente social de 30 anos, que se mudou de Wisconsin para Nova York para fazer pós-graduação, o ioga com gatos é mais uma forma de passar tempo com os animais, já que sente falta dos seus. Vivendo na cidade com uma colega, “preciso de um tempinho com os bichos. Às vezes também vou ao parquinho dos cachorros”. O’Boyle conta que cresceu com gatos em casa e que de tempos em tempos pratica ioga. Disse que em uma aula recente no Meow Parlour “foi fácil de fazer e muito divertido estar com todos aqueles bichanos”.

Sua colega de quarto, Anna Ginzburg, que tem 28 anos e trabalha no setor de finanças, também fez a aula. Embora os cerca de 12 gatos do local não estivessem particularmente carinhosos na noite em que ela foi (a ioga com gatos tem sua dose de risco), um deles, um macho de nove quilos chamado Freddie Mercury, fez sua presença ser notada, atraindo a professora com seus miados insistentes. A instrutora precisava segurar a risada.

“É um jeito ótimo de aliviar o estresse. Quero continuar vindo”, afirmou Ginzburg.

Os participantes foram orientados a não trazer seus próprios tapetes de ioga, que provavelmente serão danificados pelas unhas afiadas.

“As aulas nunca são iguais. Depende do grupo de gatos e da hora do dia”, afirmou Emilie Legrand, uma das donas do Meow Parlour e da padaria afiliada, a Macaron Parlour, ambas no Lower East Side. As aulas à tarde costumam ser mais relaxadas, afirmou, porque os gatos estão sonolentos e só ficam olhando, ao passo que nas aulas noturnas, quando estão esperando a hora do jantar, os peludos costumam ser mais brincalhões.

00c61144

Foto: Vincent Tullo, The New York Times

No KitTea Cat Café, em San Francisco, a aula de ioga acontece todas as quartas-feiras à noite e custam US$30 por pessoa. Geralmente há ao menos uma dúzia de gatos, mas lugar para apenas oito praticantes.

“Nossos instrutores de ioga sempre incorporam as bobeiras e a imprevisibilidade dos gatos”, afirmou Courtney Hatt, de 31 anos, que abandonou um emprego no setor de alta tecnologia para abrir a KitTea, que serve chá, waffles, wraps e outros petiscos.

“Até porque, às vezes os gatos decidem usar o banheiro bem no meio da aula”.

Cafés com gatos surgiram em todo o país nos últimos dois anos, geralmente separando os espaços onde os bichanos ficam das áreas onde a comida é feita e servida, por razões de saúde e higiene.

A ênfase tende a ser menos na comida, e mais em fomentar um bom momento para pessoas que precisam curtir os bichanos. A participação dos gatos nas aulas de ioga varia bastante.

“Já tivemos alguns que fizeram alongamento junto com as pessoas. Provavelmente não foi intencional, mas eles fazem uma ótima postura do cachorro olhando para baixo”, afirmou Hatt.

Legrand, do Meow Parlour, afirmou que os novos gatos que chegam todas as semanas ajudam a manter a experiência nova. “É legal quando temos alguns novos, e dá pra ver que é a primeira aula de ioga deles, porque os bichinhos ficam muito curiosos. Os tapetes são como ímãs para gatos.”

Ingrid King é blogueira de gatos e praticante de reiki, uma terapia alternativa que afirma transferir energia de uma pessoa para outra, ou no caso de King, de pessoas para gatos. Embora prefira fazer Pilates, ela acha que o ioga tem tudo a ver com o universo felino.

“A energia dos gatos é uma coisa maravilhosa. Acho que é a combinação perfeita para a prática de ioga”, afirmou ela.

Leia mais
:: Conheça a celebridade mais velha do mundo da ioga
:: Para ficar zen! 5 aplicativos que te ajudam a relaxar, treinar ioga e até pegar no sono
:: Encontro para beber cerveja após ioga vira tendência nos Estados Unidos 

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna