Flores comestíveis: confira cuidados e receitas para colorir o cardápio nesta primavera

Foto: Divulgação/Vigilantes do Peso
Foto: Divulgação/Vigilantes do Peso

A couve-flor e a alcachofra você já conhece. Mas sabia que o hibisco, o amor-perfeito e a lavanda também são exemplos de flores comestíveis? Além de encher os olhos, as chamadas plantas alimentícias não convencionais (PANCs) dão um toque especial nos pratos: com sabor suave, as flores não comprometem o paladar de outros ingredientes – e de quebra, deixam a refeição mais saudável e nutritiva.

Quem ainda acha a sugestão inusitada pode se convencer ouvindo os especialistas:

– Nas pétalas é onde se encontram principalmente os minerais, vitaminas e compostos fitoquímicos. Dentre estes, destacamos os compostos fenólicos (reconhecidos por sua ação antioxidante e anti-inflamatória) e os flavonoides, que têm efeito anti-inflamatório, antimicrobiano e antiviral – explica o nutricionista Matheus Motta, do grupo Vigilantes do Peso.

Leia também
:: Contra o envelhecimento precoce: conheça alimentos ricos em antioxidantes
:: Alívio para as mulheres na menopausa: novos estudos sugerem tratamentos sem riscos

Ricas em vitamina C e carotenoides (formadores da vitamina A), as PANCs vêm sendo estudadas sobretudo pelo efeito antioxidante – ou seja, pelo papel no controle dos radicais livres. Em 2014, estudos chineses indicaram que o extrato das flores atua na prevenção de doenças crônicas como o diabetes tipo 2 e a hipertensão arterial sistêmica (HAS). Para completar, as plantas geralmente possuem baixo valor calórico, com cerca de 40 quilocalorias a cada 100 gramas.

Foto: Pixabay

Foto: Pixabay

Cuidados

O potencial comestível está em mais flores do que se imagina: rosas, tulipas, girassóis e violetas são alguns dos tipos mais famosos. Porém, é fundamental garantir que os produtos sejam orgânicos – e manter distância daqueles vendidos em floriculturas e supermercados.

– A pessoa tem que saber a origem do alimento, porque a flor geralmente potencializa o veneno do agrotóxico e de outros químicos – explica Luciana Silva, agricultora do Sítio Capororoca, de Porto Alegre.

Além da procedência, é importante conhecer o modo como as plantas são armazenadas. Muitos produtores cultivam PANCs especialmente para uso culinário e recebem encomendas de flores da estação. Na Capital, os produtos também são vendidos em feiras ecológicas, como as dos bairros Bom Fim, Tristeza e Auxiliadora.

Quem deseja incluir as PANCs no cardápio pode ainda comprar mudas e sementes orgânicas e cultivar o próprio jardim. Mas atenção: o consumo não é recomendado a pessoas alérgicas ao pólen, e as espécies realmente seguras devem ser bem pesquisadas.

A capuchinha (flor laranja) pode ser consumida da flor à falsa alcaparra que dá. (Foto: Pixabay)

A capuchinha (flor laranja) pode ser consumida da flor à falsa alcaparra que dá. (Foto: Pixabay)

Na cozinha

O sabor das PANCs vai do doce (amor-perfeito, violeta) ao amargo (crisântemo), passando pelo levemente ácido (begônia, calêndula) e picante (capuchinha). Essa variedade rende acompanhamentos para diferentes pratos, como saladas, assados e sobremesas. As flores também aromatizam bebidas e vinagres e, quando cozidas, podem ser misturadas a mousses e geleias.

Algumas plantas têm partes menos adaptadas para o consumo, que devem ser removidas. Da tulipa, por exemplo, aproveita-se somente as pétalas; já flores maiores têm os estames e pistilos retirados para evitar o gosto amargo. Outras espécies, porém, não demandam um preparo mais cuidadoso:

– A capuchinha, muito comum por aqui, se consome inteira: a flor, a folha e a falsa alcaparra, que pode ser usada em conservas – diz a agricultora Luciana Silva.

A higienização das flores deve ser feita delicadamente logo antes do consumo. Armazenadas na geladeira, a maioria das PANCs pode durar mais de uma semana.

Foto: Pixabay

Foto: Pixabay

Receitas

Salada de primavera com mostarda e mel (dica do grupo Vigilantes do Peso)
A receita rende 2 porções e o tempo de preparo estimado é de 15 minutos

Ingredientes
Para a salada

  • 1 jato completo de óleo em spray
  • 1 peito de frango sem pele cru
  • ¼ de colher de chá de sal
  • ¼ de colher de chá de pimenta-do-reino moída
  • 2 folhas de alface lisa
  • ½ xíc. de folhas de agrião
  • ½ xíc. de folhas de mini-agrião
  • 1 rabanete, em fatias finas
  • 16 tomates-cereja cortados ao meio
  • Flores comestíveis (como violeta ou amor-perfeito) à gosto

Para o molho

  • 2 colheres de sopa de mostarda Dijon
  • 1 colher de sopa de mel
  • ½ colher de sopa de água
  • ½ colher de sopa de vinagre de vinho branco
  • 1 colher de chá de alho em flocos

Modo de preparo
Salada
Unte uma frigideira antiaderente com óleo em spray e aqueça sobre fogo médio. Enquanto isso, tempere o frango com sal e pimenta.
Coloque o frango na frigideira e cozinhe até que esteja dourado, por cerca de 5 minutos. Vire e continue cozinhando por mais 3 minutos. Transfira o frango para um prato, corte em fatias e reserve.
Em uma travessa para salada grande, arrume os ingredientes. Comece com as folhas de alface e agrião. Acrescente as fatias de frango, de rabanete e os tomates. Espalhe as flores por cima e ao redor da mesa para decorar. Sirva acompanhado com molho de mostarda e mel.

Molho
Em uma tigela pequena, misture a mostarda Dijon, o mel, a água, o vinagre e o alho.

Jardim de gelatina (dica do site Tastemade)

Veja também em Donna
:: Jejum intermitente: entenda como funciona a prática de ficar horas sem comer
:: Levando comida para o trabalho: dicas de como montar uma marmita saudável

Leia mais
Comente

Hot no Donna