Leia sete trechos do artigo de Angelina Jolie no jornal The New York Times

Atriz surpreendeu ao revelar nesta terça-feira que retirou os dois seios para evitar câncer

Atriz tomou decisão para evitar o mesmo destino da mãe, que morreu de câncer nos ovários
Atriz tomou decisão para evitar o mesmo destino da mãe, que morreu de câncer nos ovários Foto: Jens Kalaene/ AFP

Em artigo publicado no jornal The New York Times nesta terça-feira, Angelina Jolie anunciou ter passado por uma dupla mastectomia preventiva. A atriz explica que tomou a decisão de retirar os seios após descobrir que é portadora do gene BRCA1, que aumenta drasticamente o risco de câncer de mama e nos ovários.

Zero Hora separou alguns trechos do artigo Minha Escolha Médica, no qual Jolie relata que os médicos estimaram em 87% as chances de ela desenvolver câncer de mama e em 50% o risco de sofrer de câncer nos ovários. O procedimento – que busca reduzir para 5% o risco de câncer de mama – foi iniciado em fevereiro e finalizado em abril.

Histórico familiar
“…me pego tentando explicar a doença que a levou (a mãe) pra longe de nós. Eles perguntaram se o mesmo podia acontecer comigo. Eu sempre disse a eles para não se preocuparem, mas a verdade é que sou portadora de um gene ‘defeituoso’, o BRCA1, que aumenta drasticamente o meu risco de desenvolver câncer de mama e de ovário.”

Riscos de desenvolver a doença
“Meus médicos estimaram que eu tinha 87% de chance de desenvolver câncer de mama e 50% de chance de desenvolver câncer de ovário, apesar do risco ser diferente para cada mulher.”

A decisão de fazer a cirurgia
“Uma vez que eu descobri que essa é minha realidade, eu decidi ser proativa e minimizar os riscos ao máximo. Tomei a decisão de passar por uma mastectomia dupla preventiva. Eu optei por retirar as mamas primeiro, já que meu risco de desenvolver câncer de mama é mais alto do que o de ter câncer de ovário, e a cirurgia é mais complexa”

Felicidade após cirurgia
“Eu queria escrever para contar para outras mulheres que a decisão de fazer uma mastectomia não foi fácil, mas estou muito feliz com ela. Minhas chances de desenvolver câncer de mama caíram de 87% para menos de 5%. Eu posso dizer para meus filhos que eles não precisam ter medo de me perder para o câncer de mama.”

Escolha não diminuiu feminilidade
“É reconfortante eles não estarem inconfortáveis. Eles veem minhas pequenas cicatrizes e é isso. Qualquer outra coisa é somente a mamãe, do mesmo jeito que sempre foi. Eles sabem o quanto eu os amo e que eu farei tudo para estar com eles o máximo que eu puder. Uma nota pessoal, eu não me sinto menos mulher. Eu me sinto mais forte porque fiz uma escolha forte e de maneira alguma isso diminui minha feminilidade.”

A importância do marido
“Eu sou sortuda por ter um parceiro, Brad Pitt, que é tão amável e me apoia. Para quem tem esposa ou namorada passando por isso, saiba que você é uma parte muito importante dessa transição. Brad esteve no Pink Lotus Breast Center, onde eu fui tratada, em cada minuto das cirurgias. Nós encontramos momentos para rirmos juntos. Nós sabíamos que era a coisa certa a fazer para nossa família e que iria nos aproximar. E foi o que aconteceu.”

Para encorajar as mulheres
“Para as mulheres lendo este texto, espero que ele as ajude a saber que vocês têm opções. Quero encorajar a todas as mulheres, especialmente se têm histórico familiar de câncer de mama ou ovário, a procurar informação e médicos especialistas que possam ajudar vocês nesse aspecto de sua vida e que vocês possam fazer suas próprias escolhas com informação.”

As últimas do Donna
Comente

Hot no Donna