Ligada aos hábitos da vida atual, síndrome do sono insuficiente reduz a produtividade

Quadro tem a ver com o ritmo da vida moderna, aponta o neurologista

Problema depende do tipo e da quantidade dos genes que o indivíduo apresenta
Problema depende do tipo e da quantidade dos genes que o indivíduo apresenta Foto: Glaicon Covre

Cochilar ao volante, perder o fio da meada durante uma conversa e repetir atos automáticos, sem consciência do que se está fazendo, podem ser sintomas de um distúrbio cada vez mais presente nos consultórios de neurologistas: a síndrome do sono insuficiente de origem comportamental, que atinge 5% da população.

O quadro, cujo principal sintoma é a sonolência excessiva durante o dia, tem a ver com o ritmo da vida moderna, aponta o neurologista Flávio Alóe, coordenador do Laboratório do Sono do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP). E, mais do que uma situação normal, é um problema que pode e deve ser tratado.

Além de causar a perda da produtividade, a sonolência excessiva também coloca em risco a vida daqueles que dirigem, cuidam de crianças ou operam máquinas.

? As pessoas têm tempo para o segundo emprego, para se dedicar à internet e às redes sociais. Só não têm tempo para dormir. Então, ficam sonolentas, produzem menos, expõem-se ao risco ao dirigir, porque não pagam seu débito de sono ?, afirma Alóe.

A sonolência excessiva funciona como uma febre, que avisa que algo vai mal no organismo. É preciso que o paciente passe por exames médicos para excluir doenças que influem na qualidade do sono, como Parkinson, epilepsia, apneia (obstrução das vias respiratórias durante o sono) ou narcolepsia (estado de sonolência contínuo com crises incontroláveis).

Em todo o mundo, entre 32% e 40% das pessoas relatam, em um ano, terem enfrentado dificuldade para dormir durante algum período. “É possível enfrentar o problema melhorando a qualidade de vida. Tomando cuidados com a alimentação e praticando exercícios.

O indivíduo tem de dormir o tempo que for preciso para se manter desperto e atento no dia seguinte. Na maior parte dos casos, esse tempo varia de sete a 10 horas por noite”, afirma o neurologista suíço Claudio Bassetti, presidente da Sociedade Europeia do Sono.

Estado é comparável ao da embriaguez

O neurologista Flávio Alóe ressalta que o estado de uma pessoa que passou a noite sem dormir é comparável à embriaguez. Segundo ele, já há leis que punem as pessoas que expõem outras a risco por privação do sono. É o caso de Nova Jersey (EUA), que pune com até 10 anos de prisão o motorista que provoca o acidente depois de estar insone. A lei, conhecida como Maggie’s Law, foi aprovada após a morte da estudante Maggie McDonnell, 20 anos, atropelada por um homem que havia trabalhado 30 horas consecutivas.

No caso de Solange Lima Vianna, 80 anos, a falta de sono prejudicou durante muitos anos todo o seu cotidiano – ela não dormia nem durante o dia, nem à noite. Por mais de 10 anos, só adormecia depois de ingerir calmantes. Até que, orientada pela cardiologista, mudou a alimentação e cortou o café.

? Eu dormia com o remédio, mas acordava mal, passava o dia indisposta. Depois da cardiologista, mudei minha alimentação, e pequenas mudanças devolveram meu sono ?, conta.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna