Menopausa: as principais causas e os sintomas desta fase

(Divulgação)
(Divulgação)

Não há como fugir: mais cedo ou mais tarde, todas as mulheres acabam passando por um estágio que, apesar de absolutamente comum, ainda é cercado de dúvidas. Estamos falando da menopausa, período em que os ovários envelhecem e há redução brusca dos níveis hormonais. É também, oficialmente, a marca oficial da última menstruação.

Mais do que isso, é uma época de transição, que chega acompanhada de sintomas como alterações de humor, ondas de calor e cansaço. Mesmo com as constantes mudanças na rotina e no corpo da mulher, não significa que esse é, necessariamente, um momento ruim – é quase que uma questão de adaptação. Para ajudar quem está passando (ou quase!) pelo período, Donna conversou com a ginecologista Maria Celeste Wender sobre as principais dúvidas que envolvem a menopausa.

1. Como funciona a menstruação da mulher quando está chegando na menopausa?
A irregularidade do ciclo é um dos primeiros sinais das modificações hormonais do período. Pode ocorrer alteração na duração da menstruação, a quantidade de fluxo menstrual e no intervalo entre um período e outro, tanto para mais quanto para menos. Mas, fique atenta: as alterações só costumam ser percebidas por aquelas que não usam pílulas ou métodos contraceptivos hormonais.

2. A menopausa causa diminuição da libido?
Ainda no climatério, período que antecede a menopausa e começa por volta dos quarenta anos, algumas mudanças podem prejudicar o sexo. Uma delas é o ressecamento da vagina que, por não estar tão lubrificada, pode deixar a relação sexual dolorosa. E quem é que vai ter desejo sentindo dor? O tratamento se dá com cremes tópicos com hormônios ou ainda lubrificantes e hidratantes vaginais.
– Vale lembrar que o uso de hormônios masculinos para tratar o menor desejo sexual é bastante debatido ainda. Aqui no Brasil não dispomos de nenhuma formulação própria para mulheres aprovada pela Anvisa. Mesmo nos Estados Unidos ou na Europa atualmente nenhum produto comercial com este fim está sendo comercializado. Há escassez de estudos a longo prazo que certifiquem a segurança do seu uso. Entretanto, em alguns casos excepcionais, podem ser utilizados produtos manipulados – explica a médica.

Leia também
Guia da vagina: 10 curiosidades que podem melhorar a sua vida
Dez dúvidas frequentes sobre o câncer de mama

3. Quando finalmente passam os famosos calorões?
Também conhecidas como fogachos, as ondas de calor acontecem por conta da queda do estrogênio, o principal hormônio feminino. A sensação atinge mais o tronco e a face, mas pode afetar o corpo inteiro. Embora existam muitas mulheres que não sintam os calorões, a maioria o apresenta com intensidade variável – e pode durar, em média, 11 anos. O sintoma costuma permanecer por mais tempo quando começa bem cedo, enquanto a mulher ainda menstrua.

4. A insônia tem a ver com a menopausa?
Sim, e principalmente quando a mulher também apresenta calorões. Há maior ocorrência do sintoma durante a noite, o que acaba prejudicando a qualidade do sono. Mas há queixas também de mulheres que não sentem os fogachos – e, nestes casos, tem mais a ver com a diminuição da qualidade do sono do que com a dificuldade de dormir. Quando associada aos fogachos, pode ser contornado através do tratamento de terapia hormonal.

5. É comum ganhar peso durante o período?
Vale ressaltar que é bem comum o peso aumentar com o avançar da idade, independente da menopausa. Como algumas mulheres também apresentam sintomas como ansiedade ou tristeza no período, sobretudo na transição, é comum que ela acabe comendo mais do que o normal – incluindo aquela barra inteira de chocolate, sabe?
Quando a mulher não se exercita frequentemente, o ganho de peso ainda é mais frequente. Como na menopausa os ovários interrompem a secreção dos hormônios femininos, como o estrogênio, e seguem a produção dos androgênios (os hormônios masculinos), mulheres que não fazem reposição hormonal podem ter aumento de gordura essencialmente “masculina”, a chamada centro-visceral, que aumenta no abdômen.
– Isto é ruim, pois esta distribuição de gordura se correlaciona com maior risco de doença cardiovascular – afirma Maria Celeste.
É justamente o ganho de peso durante a menopausa que virou tema de uma pesquisa no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, conduzida com o auxílio da ginecologista. Para o estudo, estão sendo recrutadas mulheres entre 44 e 45 anos que ainda menstruem ou tenham parado há mais de ano, e também com idades entre 51 e 52 que menstruem regularmente. Quem quiser participar deve enviar um e-mail para o endereço mwender@hcpa.edu.br

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna