Perigo nas alturas: uso contínuo de salto alto pode causar lesões graves

Ortopedistas e fisioterapeutas tentam impor limites saudáveis para essa preferência

Evite os saltos muito altos ou, quando for usá-los, não repita no dia posterior
Evite os saltos muito altos ou, quando for usá-los, não repita no dia posterior Foto: Luca Bruno

A moda deste inverno pede sapatos e botas de saltos altíssimos. A preferência das mulheres é pelo modelo tipo meia-pata, pois a pequena plataforma na parte dianteira do calçado permite elevá-las em até 15 centímetros de altura.

Esteticamente, não há dúvidas de que os saltos altos são um charme. Porém, ortopedistas e fisioterapeutas tentam impor limites saudáveis para essa preferência.

Especialistas afirmam que o modelo mais indicado para quem não deseja maltratar tanto os pés é o anabela, pois a descarga de peso na região ocorre de forma mais adequada. Os joelhos, que também são afetados pelo uso desenfreado de salto alto, devem receber atenção. Isto porque eles são do tipo valgo, ou seja, ligeiramente virados para dentro.

? Essa postura aumenta as chances de lesões, como a condromalacia, que é um desgaste da cartilagem entre o fêmur, o osso da coxa e a patela, antes conhecida como rótula ? explica o ortopedista Rene Abdalla, do Hospital do Coração de São Paulo (Hcor).

A queixa mais comum nos consultórios é a dor na ponta dos dedos dos pés, denominada metatarsalgia. Isso ocorre porque, com o uso de saltos muito altos, as articulações dos dedos são pressionadas, causando dores crônicas. Há casos em que fica difícil até fazer atividades rotineiras, como caminhar por distâncias mais longas. Essas situações podem levar, inclusive, a fraturas por estresse nos dedos dos pés ? sem contar que, com o uso do salto, são perdidos os principais pontos de apoio: o calcanhar e o tornozelo, aumentando o risco de lesão.

Para evitar problemas graves, uma boa dica é fazer podoposturologia, técnica francesa de fisioterapia que tem como objetivo reeducar e realinhar a estrutura do corpo. Depois de exames, os fisioterapeutas indicam o uso de palmilhas proprioceptivas. Segundo ortopedistas, a terapia corrige vícios posturais provocados pelo uso do salto. Também é importante alongar-se sempre que possível.

:: Veja o que acontece na sua coluna

Sem Salto

Nessa posição, o centro de gravidade do corpo, o umbigo, está perpendicular em relação ao chão, assim como o restante do corpo. A coluna apresenta uma curvatura, natural, pouco acentuada, em formato de “S”. O peso do corpo está bem distribuído e não compromete a coluna. Os músculos da perna e o tendão ficam esticados e tensionados, proporcionando um andar correto.

Nas alturas

Ao caminhar, o calcanhar e o tornozelo ficam em suspenso para que o pé encaixe no sapato.Sem o apoio dos calcanhares, o centro de gravidade (umbigo) vai para a frente, assim como o resto do corpo.Com a coluna mais curva, é formada uma lordose (curvatura acentuada para fora). As vértebras tendem a comprimir a medula, pois diminui o espaço entre a saída do nervo e uma vértebra para outra.

:: De Salto e confortável

1) Evite os saltos muito altos ou, quando for usá-los, não repita no dia posterior. Para o dia-a-dia, o ideal é o salto de no máximo dois centímetros, com um apoio macio no calcanhar.

2) Sempre que possível, calce sapatos baixos ou ande descalço para evitar o encurtamento dos músculos da região.

3) Alongue-se e pratique exercícios fí-sicos, incluindo reforço muscular para os membros inferiores.

Leia mais
Comente

Hot no Donna