Da mesa à cama: seis perguntas e respostas sobre os afrodisíacos

Foto: Pexels, divulgação
Foto: Pexels, divulgação

Você já deve ter ouvido falar das propriedades afrodisíacas de alguns alimentos. Mas será que têm efeito de uma hora pra outra? Em que quantidade se deve consumir? O que funciona para o homem também funciona para a mulher? Donna consultou a nutricionista mineira Karin Honorato, especialista na área, e a sexóloga gaúcha Rita Nunes para esclarecer como agem (ou não) os afrodisíacos e se encurtam mesmo o caminho da mesa à cama. Confira:

Antes de mais nada: afrodisíacos funcionam ou não?
Funcionam, sim. Mas com uma importante ressalva: o organismo precisa estar equilibrado. Se a pessoa tiver hábitos nocivos ao organismo, como fumar ou beber demais, estiver muita sedentária ou ingerir muita gordura ou açúcar no dia a dia, é quase impossível os afrodisíacos fazerem efeito, devido a todos os demais elementos que atuam no sentido contrário, prejudicando a libido.

Os afrodisíacos são os mesmos para homens e mulheres?
Alguns, sim. Outros, não. Alguns alimentos têm mais efeito no homem em razão da libido deles ter mais relação com hormônios, mas também atuam nelas em menor grau. É o caso de ostras, sementes e castanhas, ricas em zinco, da banana, da aveia e do abacate, ricos em manganês, ou da sardinha, rica na chamada coenzima Q10. Nesses casos, funcionam melhor se inseridos na alimentação do dia a dia. Já os vasodilatadores, que melhoram a circulação, vão bem para ambos e têm efeito mais imediato, caso do gengibre, do vinho, do curry, da canela, da pimenta vermelha e das frutas vermelhas, em especial a romã.

Leia mais:

:: Chef Felippe Sica ensina receitas leves e afrodisíacas para o Dia dos Namorados

:: Conheça mitos e verdades sobre quem vai à sex shop

E especialmente para mulheres, nada?
Como a libido da mulher envolve, além de aspectos hormonais, os neurológicos, funcionam para elas a curto prazo alimentos que estimulam a produção da dopamina e serotonina, como a banana, as amêndoas e o chocolate (quanto mais puro, melhor), e as que ajudam a relaxar, como o vinho. Depois dos 40 anos, para compensar a queda de taxas de hormônios relacionados à libido, aconselha-se o consumo do abacate e da casca do maracujá no dia a dia.

Ué, e o ovo de codorna? E o amendoim? E a catuaba?
São alimentos que dão energia, o que pode ter influência na libido, mas indiretamente. A catuaba esquenta o corpo. É gostoso, mas não influencia no organismo sexualmente.

Ouvi falar que afrodisíaco algum funciona combinado com anticoncepcionais. É verdade?
Não necessariamente. Se o anticoncepcional baixa demais os níveis de testosterona, é possível, sim, que afrodisíacos com atuação nesse campo não surtam efeito. Mas são múltiplos os fatores que estimulam a libido da mulher. Estar 100% tranquila de que a relação sexual não resultará em filhos, por exemplo, pode ser um deles. Portanto, deixar o anticoncepcional de lado pode, na verdade, ter o efeito contrário.

E consumo esses alimentos em que quantidades?
Para um jantar romântico, usar receitas que combinem dois ou três desses ingredientes já é o suficiente. E em quantidades moderadas. O chocolate, por exemplo: não é preciso mais do que 50g em uma sobremesa para surtir efeito. Vale também lembrar do lado psicológico da coisa toda. Cozinhar juntos e estar com a mente voltada ao jantar romântico pode ser um afrodisíaco mais poderoso do que qualquer tempero.

Leia mais
Vídeos recomendados
Comente

Hot no Donna