Mais de 170 mil pessoas pedem que Netflix cancele série que faz piada com pessoas gordas

Não sei dizer para vocês quantas vezes recebi o link da nova série da Netflix, Insatiable. Junto com o trailer, a mensagem de amigos e colegas: “Guria, tu precisa ver isso! Olha o absurdo!”. Confesso que me deu uma certa preguiça de assistir, sabe?

Até que a polêmica começou a ganhar força. Me dei por vencida quando vi que mais de 170 mil pessoas já haviam assinado uma petição para que o serviço de streaming não colocasse a série no ar – a estreia está prevista para 10 de agosto. A treta deve ser séria.

Assista ao trailer de Insatiable

Quando dei o play no trailer de Insatiable, entendi de cara o motivo de tanta revolta – e, olha, é pior do que eu imaginava. Nos primeiros takes, a personagem Patty, uma adolescente gorda, aparece nos corredores do colégio cabisbaixa, enquanto ouve todo tipo de ofensa dos colegas. Sabe aquele típico roteiro de Sessão da Tarde que poderia ser a história de muitas de nós que enfrentamos bullying nesta fase? Pois bem, segue à risca todo o clichê.

Aí vem a reviravolta, como era de se esperar. Patty leva um soco no rosto – um claro ataque por conta de seu peso – e acaba quebrando o queixo. Precisa ficar com o rosto imobilizado durante as férias de verão. É, acertou quem pensou que ela não poderia abrir a boca. Ou seja, de boquinha fechada – aquela velha recomendação que todo mundo com sobrepeso ouve como solução mágica e fácil para emagrecer -, a personagem consegue perder muitos quilos. Volta das férias magrinha e turbinada. Virou a gostosa.

– Costurar a boca me fez perder bem mais do que as minhas férias de verão –, diz a personagem, assim que aparece em cena de vestido justinho e sorrisão provocador.

peticao-insatiable

Os equívocos seguem. Patty olha para todos os grupinhos – atletas, patricinhas, atrizes – e pensa que não quer integrar nenhum deles. Só quer vongança. Aí, entram na tela mensagens como “seja maquiavélica, seja ousada, seja impiedosa”.

Aqui no Um Plus a Mais
:: Arrasando na gringa! Modelo plus size brasileira estrela comercial de marca nova-iorquina
:: Depois de dizer que Adele é “gorda demais”, Karl Lagerfeld anuncia coleção plus size
:: Blogueira plus size recria looks incríveis de Meghan Markle – com direito a Príncipe Harry
:: Malhação: Vidas Brasileiras faz bonito ao trazer a história de personagens gordas

:: E a diversidade de corpos? NENHUMA modelo gorda cruzou a passarela da SPFW

 

Por onde começar?

Em pleno 2018, o roteiro de Insatiable reproduz tudo aquilo que a gente via nos filmes há 20 anos: a menina gorda que emagrece, a vingança depois de dar a volta por cima… Nada de novo sob o sol. Mas os tempos mudaram, né mores? Hoje em dia, com tantas discussões sobre autoestima e body shaming, não faz sentido que um serviço que se diz tão prafrentex quando a Netflix endosse esse tipo de roteiro. Vendo o trailer, não há qualquer indício de um plot twist, sabe?

Diferente do filme Sexy por Acidente (relembre a coluna sobre o filme aqui!), por exemplo, em que a personagem de Amy Poehler percebe que poderia ser feliz com o corpo que tem – e que sua força e autoestima não tem a ver com o tamanho -, a Patty de Insatiable só fica feliz e conquista a admiração dos outros quando emagrece. Pior ainda do que isso? Ela consegue emagrecer por doença, por ter “fechado a boca” – um reforço daqueles no estereótipo de que essa é a solução simplinha dos nossos problemas.

E o que ela quer fazer quando emagrece? Não é viver a vida, se sentir linda, correr atrás dos seus objetivos. Ela quer vingança. Quer mostrar que, agora que é magra, virou poderosa. Percebem o quanto isso é nocivo?

pattyinsat

A virada na vida de Patty é, unicamente, para mostrar aos outros que se adequou aos padrões. Não é para ser mais feliz, é para pisar em quem falou merda. E a autoestima dela, será que é tão forte assim? Se fosse, precisaria mesmo se preocupar com o que as pessoas que a agrediram pensam?

Insatiable é um exemplo péssimo e um gatilho sem tamanho para gurias que estão na mesma situação que Patty no início da série – e que só enxergam saída no emagrecimento a qualquer custo. Mas, infelizmente, é também um reflexo do comportamento de muitos ex-gordos: quando emagrecem, só querem mostrar aos outros o quanto podem, o quanto agora são felizes e antes não. Aliás, o velho antes e depois, ao meu ver, demonstra aquela velha ideia de que antes você era infeliz e, agora que é magra, pode ostentar um sorrisão no rosto.

Pode ser que a série reserve alguma surpresa? Pode sim, não sabemos, já que ela ainda não estreou – e pode ser que nem estreie. Mas é fato: por enquanto, me parece uma escorregada daquelas da Netflix. Desnecessária, para dizer o mínimo.

Se você também não curtiu o roteiro de Insatiable, te convido a espiar a petição neste link.

Parte boa dessa história? Aos pouquinhos, o público está reagindo, sim, a casos de body shaming e preconceito. Vamo, time!

Veja também
:: E a diversidade de corpos, hein? NENHUMA modelo gorda cruzou a passarela nesta SPFW
:: Nenhuma marca brasileira quis criar um vestido de gala para Fluvia Lacerda, modelo plus mais famosa do Brasil
:: Eu, gorda: conheça o projeto (incrível!) que retrata a beleza da mulher gorda através da fotografia
:: 10 peças com estampa xadrez em tamanho plus size para embarcar na tendência do inverno
:: É diversidade que fala? Campanha de cuecas foge dos estereótipos de “machão” e “gostosão”
:: Por que Ashley Graham não considera “mulher real” um elogio

 

Plus a Mais também no Face!

O blog ganhou sua própria página no Facebook. Clica aqui para conhecer (e dar aquele like amigo! haha)

pluscardnovo